Autor: Francisco Madia

Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 14, 15 e 16/05/2022

Num país, Brasil, e até e onde o passado é incerto, Seguro não merece a denominação que tem. No Brasil, nada mais inseguro do que o Seguro…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 13/05/2022

Muitos dizem, “não há mais, por onde, no que e o que inovar!” Definitivamente, errado. Sempre é possível inovar. Na medida em que o mundo encontra-se em permanente mudança. E se isso acontece, as possibilidades de inovação renovam-se a cada novo segundo…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 12/05/2022

NUBANK, SUSTENTARÁ? Neste preciso momento muitos dos chamados UNICÓRNIOS derretem. Aqui no Brasil, o mais emblemático e incensado de todos começou a derreter. Sustentará? Recorrerá a orientação de sua conselheira ANITTA?
Negócio

Cauda Longa vida breve

Agora e nos negócios uma série de manifestações que se inserem no chamado território da Cauda Longa, e numa subseção específica, a da vida breve. Aqueles negócios que as pessoas compram uma ou duas vezes, e nunca mais nem mesmo se lembram que compraram. Dentre os tais negócios Long Tail, short life, um aplicativo que nasceu para atenuar a crise de milhares de artistas em ter o que fazer pelo mundo e em função da pandemia. Trata-se do Cameo, hoje com mais de 40 mil celebridades escritas, e que por um valor entre US$ 100 a US$ 5.000 dispõe-se a criar e gravar uma mensagem sua para sua mãe, pai, esposa, filhos, amigos. Sob medida. Pedem apenas o prazo de uma semana, mandam gravado, e depois é só você fazer a surpresa. Dentre os artistas disponíveis, desde Lindsay Lohan, US$ 400, passando por Alice Cooper, US$ 300, até o jogador brasileiro que enfrenta muitos processos na justiça, o lateral esquerdo Roberto Carlos e que cobra US$ 200 por mensagem. Cameo, um ótimo exemplo da Long Tail Short Life. Não sobrevive três primaveras… Exagerando! Tão curto e breve quanto este nosso comentário.
Negócio

Decisões equivocadas e sob forte emoção

Dentre os 100 produtos farmacêuticos, os tais de remédios mais consagrados, Nebacetin, do laboratório Takeda, merece uma posição de destaque. Não chega a ser nem um Bombril, nem uma Aspirina, mas é um santo remédio para algumas das patologias relacionadas à pele. Desde a lei dos genéricos, e com algumas farmacêuticas oferendo nova versão com o mesmo princípio ativo, e por um valor menor, não sobrou outra alternativa para o Takeda que proceder a uma revisão para baixo e sensível em sua política de preço. Independentemente dessa nova variável, o fato é que anos atrás a Cimed decidiu brigar de frente com o Nebacetin, e batizou sua alternativa como Nebacimed, uma espécie do Nebacetin da Cimed. E aí começa uma longa batalha judicial do Takeda contra a Cimed, e que terminou finalmente, em decisão do Superior Tribunal de Justiça, e que julgou improcedente a ação pela gênese da denominação do Takeda, e que se inspira no princípio ativo, “sulfato de neomicina e bacitracina zíncica”. Conclusão, muito dinheiro e muito tempo perdido. Tudo o que o Takeda deveria ter feito, ao invés de perder tempo, energia e dinheiro batendo às portas da Justiça sem sucesso, era recorrer a todas as ferramentas do marketing e do branding, blindando completamente sua marca, e seu santo remédio, do ataque medíocre de todos os seus demais concorrentes. Como ao que a Cimed, também equivocadamente, recorreu e procedeu. Mas não tem jeito, quando baixa a tal da “criatividade espertalhona” de um lado, e do outro ao invés da sensibilidade, inteligência e sabedoria, prevalece a emoção e a raiva, dá no que deu. Perda de tempo, energia e dinheiro para as duas partes. Fizeram por merecer, e fica a lição para todas as demais empresas. Lembram do velho provérbio, “mais vale um bom acordo do que uma longa, absurda, insuportável e desgastante contenda”. É por aí…
Negócio

Síndrome de Las Vegas

A tal da Síndrome de Las Vegas, a cidade engraçada, divertida e fake dos Estados Unidos, e em tempos de pandemia, onde as pessoas andam com a cabeça meio que fora do lugar, vai tomando conta de empreendedores, e de alguns proprietários de casas fora da cidade de São Paulo. O primeiro caso superlativo da Síndrome de Las Vegas aconteceu na cidade de Itupeva, empreendimento Classe A Top, Fazenda da Grama, e próximo – 80 quilômetros – da cidade de São Paulo. Uma praia artificial com supostos um quilômetro de “orla” e um espelho d´água de 28 mil metros quadrados emulando, sabe quem… Isso mesmo, o mar! Construíram um micromar em Itupeva, com uma praia meio que sem-vergonha. Que por sinal, o mar de verdade, imenso e quase infinito, com areia natural e ondas de verdade, encontra-se a menos de 80 quilômetros de São Paulo… Desnecessário, supérfluo e perfunctório seguir nos comentários. Esse tipo de comportamento, como comentamos semanas atrás, nem cringe, é. É Boko Moko na veia. Nesse ritmo, e brevemente, atacados de forma galopante pela Síndrome de Las Vegas, alguns loteamentos Master Plux Top Triple A perto de São Paulo terão, também, simulacros da Torre Eiffel, do Empire State Building, e do Louvre… Talvez ganhem uma Loja da Havan, só para ostentarem uma miniestátua da liberdade.
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 11/05/2022

Quase todos gostam de consultar o horóscopo e conferir as previsões. Algumas acertam – poucas. As demais naufragam. A galera da tecnologia adora previsões…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 10/05/2022

Às vezes, poucas vezes, o que dá para rir dá para chorar, também. E, vice-versa. O que aconteceu com a BIC na pandemia.
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 07, 08 e 09/05/2022

“QUEM FOI REI” – no branding – segue correndo todos os riscos, caso não tenha uma BRANDING POLICE qualificada e eficaz, de “PERDER A MAJESTADE”. Como acaba de acontecer com o filho da ELIZABETH…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 06/05/2022

Como mais que previsto e esperado, a partir de agora, e a cada dia mais, GAS, GAME AS A SERVICE. Como quase todas as demais “ex – compras”, hoje, assinaturas… Como um dia ensinou THEODORE LEVITT: “As pessoas não compram produtos, e sim, os serviços que os produtos prestam…” A partir de agora, deixam de comprar, assinam…