Autor: Francisco Madia

Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 27, 28 e 29/11/2021

O dia em que WARREN BUFFETT reconheceu o erro, jogou a toalha, e vendeu todas as ações de empresas aéreas da BERKSHIRE HATHAWAY. Os riscos são insuportáveis, sempre. Com a pandemia, a devastação foi total. Imediatamente seguido por BERNARD ARNAULT e ABILIO DINIZ.
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 26/11/2021

Enquanto as empresas investem milhões na segurança de seus sistemas, profissionais seguem armazenando, natural e inconscientemente – pra dizer o mínimo -, dados dos negócios em seus smartphones. Não vai dar certo…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 25/11/2021

A MEDICINA está ficando mais acessível e seus custos suportáveis. Mas, nada a ver com a pandemia. Tudo a ver com doses substanciais e abençoadas de… tecnologia.
Negócio

Brandicídio Unilever 2

A Unilever é uma das empresas campeãs na construção de marcas líderes. Mas, sabe-se lá por quais razões, depois de algum tempo negligencia, cochila, encanta-se com uma bobagem, e joga décadas de investimento e competência literalmente no lixo. E tem uma habilidade ainda especial em construir marcas voltadas para as mulheres. A melhor das marcas construídas no território feminino das últimas décadas foi Dove. Exclusivamente para as mulheres, mulheres de verdade, de todos os tipos, tamanhos, cores, alegrias, felicidades, emoções. E aí um dia, um estagiário, apiedou-se de um homem na gôndola do supermercado querendo comprar um desodorante Dove, mas envergonhado pela tampa cor de rosa, e sugeriu uma linha masculina para Dove. 40 anos e centenas de milhões de dólares jogados no lixo diante de uma estultice de monumental dimensão. Mas, não para por aí. Em 1909, na Inglaterra, e aproveitando-se de uma iniciativa do ano anterior, a UNILEVER lança um alvejante em pó com a marca OMO, abreviatura de Old Mother Owl – Velha Mamãe Coruja. Na embalagem uma coruja. Nos olhos, os dois Os, e no bico, o M. Em 1954 decide lançar a versão de OMO como detergente. Três anos depois a Unilever decide lançar OMO sabão em pó e na cor azul no Brasil, 1957. Pela extraordinária competência e qualidade do lançamento, e durante mais de 50 anos de marketing irretocável, a OMO converteu-se, segundo o Top Of Mind da Folha e Datafolha, na marca mais consagrada do Brasil. Em sua categoria, e em todas as demais. Mais, até, que Coca-Cola. Mas, como existe uma espécie de anatema sobre aquela empresa, sempre alguém resolve melhorar o que já é ótimo e reina de forma absoluta, numa tentativa maluca de deixar sua marca, a marca daquele profissional, pega a empresa desprevenida, a proposta evolui, e a tragédia consuma-se. Anos atrás, sabe-se lá por quais razões e motivos, decidiu deixar de apenas produzir, aprimorar, e manter a liderança espetacular de OMO, e converter-se, também, em prestadora de serviços. Passando a concorrer com milhares de lavanderias em todo o País que possivelmente utilizavam seus produtos, ao invés de fortalecer ainda e mais essa parceria. Lançou o projeto OMO Express, pessimamente comunicado o que provocou uma tempestade de reclamações agregando pequenas manchas de descontentamento e indignação daquelas mulheres que adoram a marca, na marca de sua adoração, OMO. No ano passado, e ao invés de dar marcha à ré e reconhecer a bobagem, decide avançar mais e lança, convertendo o OMO Express, em OMO Lavanderia… Socorro!!! Para começar com um lote significativo de OMO Lavanderia, decidiu comprar uma rede já em funcionamento, com mais de 120 unidades, do Grupo Acerte… O Grupo Acerte… A decisão, erro monumental. Não da compra, de se meter em território que não tem absolutamente nada a ver com seu DNA. Se der certo, se for um megassucesso, não muda em nada a última linha do balanço da empresa. Mas se der errado, coloca em risco, a marca mais querida do Brasil… A iniciativa é tão absurda que dispensa quaisquer e outros comentários adicionais.
Negócio

Farmácias, um dos negócios da década

A década que se encerrou em 2020 marca a multiplicação do número de farmácias em nosso país em mais de duas vezes. Sem contar as outras formas de comercialização de remédios, inclusive as chamadas Dark Pharms que só começaram a se revelar no final da década. Farmácias fechadas, que funcionam mais como pontas da cadeia de distribuição, procurando localizarem-se o mais próximo de regiões de elevado adensamento populacional. Só as grandes e médias redes associadas à Abrafarma, iniciaram a década com 4,3 mil farmácias e agora aproximam-se muito rapidamente de ultrapassar as 10 mil. Em verdade as farmácias crescem e multiplicam-se por diferentes razões. O adensamento nos principais bairros de classe média nas grandes cidades do País, pelo número de outros produtos que as farmácias passaram a vender concorrendo nas chamadas franjas com os supermercados, e ainda funcionando como ponto de entrega de remédios comprados pela internet. Além de brasileiro adorar um remedinho… E as perspectivas continuam sendo as mais positivas possíveis. No correr desta década assistiremos uma revisão institucional do papel das farmácias. E terminaremos a década que agora se inicia com a existência não mais e apenas do farmacêutico nas principais lojas das principais redes de farmácias. Teremos também a nova figura do médico de farmácia, que além de oferecer serviços de consultas rápidas, e pelo acordo que as farmácias farão com os planos de saúde, irão se converter nos pontos avançados desses planos. Assim, e na nova configuração das principais cidades brasileiras daqui para frente, a presença crescente de farmácias, minimercados, varejos especializados, e nos cruzamentos ou microzonas de maior fluência, os supermercados. Assim serão as principais cidades do Brasil lá por 2030, final desta década…
Negócio

A volta de Kumruian

Depois de mais de uma década de investidas no comércio eletrônico, colocando em pé uma empresa legendária, a Netshoes, e que acabou não resistindo aos desafios, mesmo depois de ter se convertido num unicórnio e aberto o capital na Bolsa de Nova York numa quarta-feira, 12 de abril de 2017, e sendo vendida para a Luiza, meio que no desespero, Marcio Kumruian, seu admirado empresário, não obstante o insucesso, agora retorna ao mercado. Depois da venda para a Luiza, e do compromisso de permanecer um ano em toda a etapa de entrega e transição da Netshoes para seus novos proprietários, Marcio anunciou seu novo negócio, uma startup, a ZiYou, pegando carona na pandemia e numa suposta nova onda das pessoas, impossibilitadas de frequentar as academias, voltarem a se exercitar em suas casas. Assim a ZiYou é uma plataforma de aluguel de esteiras, bicicletas e outros gadgets, e tem como referência uma empresa de sucesso nos Estados Unidos, a Peloton. Em entrevista para revista Exame, Marcio posiciona seu novo negócio, “O objetivo é permitir que as pessoas tenham a liberdade de praticar exercícios onde, quando e como quiserem, sem ter que gastar na compra de equipamentos na casa entre R$ 5 a R$ 10.” A empresa decolou meses atrás, e carregada de otimismo e expectativas positivas, uma das características mais marcantes de Kumruian. A ZiYou tem planos para iniciantes e profissionais. Com valores mensais a partir de R$ 149 a R$ 899. E os assinantes dos serviços têm acesso a plataformas especializadas para toda a orientação em seus treinamentos. Kumruian pretende trabalhar fortemente, e também, os condomínios residenciais. Que desta vez Kumruian consiga completar sua obra e fazer da ZiYou uma empresa feita para durar. Torcemos pelo Marcio, mas não temos nenhum otimismo quanto ao futuro de seu novo negócio. Ao contrário, dúvidas gigantescas… Tomara que desta vez tenha seu talento, energia e determinação bem-sucedidos.
1
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 24/11/2021

90% dos recursos sob administração do Itaú são de pessoas de mais de 40 anos. Mas tudo o que o ITAÚ quer, pela sua comunicação caótica, é conquistar os jovens. A concorrência agradece. E ainda seus ex-dirigentes escrevem artigos esquisitos, pra dizer o mínimo…
videos41anos

Vídeo 36

Nesta série comemorativa dos 41 anos da MADIA, procuramos refletir com todos vocês sobre a necessidade mais que urgentíssima de darmos um jeito neste velho Brasil, e depois de 520 anos. De nos tornarmos um país de verdade, de nos convertermos num NOVO E MODERNO BRASIL. Hoje comento sobre a prévia do PSDB, SERGIO MORO, PASTORE, e os 3 TEMAS E AÇÕES ESSENCIAIS do próximo governo. Sempre, e a caminho, de um mais que aguardado e desejado NOVO BRASIL.
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 23/11/2021

CENAS DO MUNDO MODERNO Ainda, durante alguns, mas, poucos anos, as empresas continuarão dizendo não serem responsáveis… Mas, repito, por poucos anos…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 20, 21 e 22/11/2021

AS GRANDES UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO PAÍS, ASSIM COMO AS FACULDADES, APROVEITANDO-SE DO “PIX”, ENGROSSAM A MULTIDÃO DE PEDINTES. Vão pedir doações – leia-se “esmolas” – e concorrer com os pedintes nas principais ruas e cidades do pais. O ESTADO BRASILEIRO É UM LIXO, UMA VERGONHA, UM DESCALABRO. ATÉ QUANDO?