Tag: tecnologia

Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 02, 03 e 04/10/2021

ACERTARAM NA MEDIDA, ERRARAM NO DIAGNÓSTICO. O preço da medicina no Brasil despenca não por causa da pandemia. Por causa do microchip, 4004, de 1971, onde tudo começou…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 08/07/2021

O ABISMO. A distância monumental que existe entre o que a galera de tecnologia sabe e domina, e a maneira tosca e precária como se comunica com os demais mortais.
videos_BUT

Abril

Vídeo da transmissão ao vivo do Business Trends, ciclo de palestras ministradas por Francisco e Fabio Madia, captado no dia 26 de abril de 2021. Confira os temas:–Saraiva e Cultura –A Quebra das Empresas Aéreas –Tem Futuro os Atacarejos? –Correios – da Desimportância Crescente, e Morrendo À Míngua –Zoofa – Filha da Covid-19 –Beto Carrero –Reed Hastings –O que Sobrou dos Jornais –Cadê o Antonio? Morreu… –O Fator Tempo –Explicando a Identidade de Gênero –A Cidade do Futuro – The Line –O Mundo de Ryan –Yoto Player Podcast e Audiobook
Negócio

Ser “velho” uma mega vantagem competitiva

Muitas pessoas continuam deixando se vergar ou entregar, ou render-se a idade, jogando a toalha, conformando-se, e até mesmo desistindo. Contando semanas e dias para a partida. Ser velho não é uma condenação, é uma escolha. Ser “velho” é, acima de tudo, uma mega vantagem competitiva, desde que a pessoa que passou o sinal dos 70 continue preservando-se atualizada. E isso só depende dela. Em igualdade de condições, salvo naquelas funções em que o vigor físico continua sendo importante, não trocamos aqui na Madia um de 60 por dois de 30. Claro, desde que o de 60 ou mais anos tenha se preservado vivo, atualizado. Caso contrário, torna-se num chato, insuportável. Passa todos os dias falando do passado. O jovem tem mais facilidade de inserir-se rapidamente numa nova cultura, nos avanços da tecnologia, e também no aprendizado. Pelo fato de ser jovem, não tem nenhuma cultura o suficientemente enraizada em sua cabeça e comportamento, e assim, não tem que descartar e renegar o que quer que seja. Apenas assimilar e por uma primeira vez. Não tem a barreira de eventuais preconceitos culturais por conhecimento anterior ou passado, pois, via de regra, e com raríssimas exceções, não tem conhecimento algum. Apenas está incorporando uma primeira carga de conhecimento e, assim, e sem barreiras de qualquer espécie assimila com muito maior facilidade. O que já não acontece com as pessoas de mais idade, que já têm toda uma moldura estabelecida e formatada em suas cabeças, e tenta, inutilmente, em boa parte das vezes, encaixar o novo no velho. Não encaixa. Mas, se não se descuidar, tem uma qualidade, virtude, exclusividade, que só vem com a idade. A capacidade de contextualizar, de ter insights pelas faíscas decorrentes do choque do conhecimento pré-existente com os novos estímulos. Conquista absolutamente impossível para quem tem poucos quilômetros de estrada, ainda não amaciou, e é pego de surpresa no contrapé o tempo todo. Os jovens. Daqui a 10 anos o Brasil terá a quinta população mais idosa do mundo. E em 2050 1 em cada 3 brasileiros terá mais que 50 anos de idade. Isso poderá converter-se num peso ou num diferencial competitivo do Brasil. Desde que, e, repetindo, os tais dos velhos preservarem-se atualizados, correrem atrás de todas as novidades, e tirarem proveito de seu capital de conhecimento, da experiência de décadas de estrada, e que se traduz, repito, na capacidade de contextualizar, de ter insights, e resolver sempre com mais rapidez e qualidade. Ser velho pode ser ótimo, pode ser péssimo. Faça a sua escolha, quando o momento chegar. a