Tag: Pandemia

Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 30/11/2021

A PANDEMIA DE GOLPES. FEBRABAN alertando, de forma superlativa, às autoridades. Mais que na hora de submeter todas as FINTECHS às mesmas exigências e regulações que das instituições financeiras tradicionais. Caso contrário, a quebradeira…
Negócio

Conclusões precipitadas, ou, o futuro a Deus pertence…

Lembram-se dessa frase? “O futuro a Deus pertence”? Valia tanto para os crentes como para os agnósticos. A partir de um determinado ponto, e diante das pessoas, empresas, organizações terem esgotado todas as possibilidades, crentes entregavam a Deus, e os agnósticos à sorte e à fortuna. E aí veio a pandemia. Superado o pior momento, todos os dias em todas as publicações, supostos especialistas que se sentem à vontade para dizer como será o futuro. Sobre alguns comportamentos e manifestações é possível formular-se algumas hipóteses. Sobre todas as demais, especulações precárias, pretenciosas, arrogantes, e acima de tudo, burras. Assim, que ninguém conclua o que quer que seja por enquanto. Todos os novos comportamentos e manifestações decorrentes da crise precisarão de um ou dois anos, para conferirmos se vieram pra ficar, ou são apenas resíduos que o tempo elimina. Só depois de superada definitivamente a crise, para aferirem-se suas eventuais e possíveis consistências. Se vieram para ficar, ou foram apenas brisas de verão, ou, soluços da pandemia. Mas, desocupados de todo o gênero desenvolvem as teorias mais irrelevantes possíveis, e desprovidas de qualquer grau de consistência. Tipo, por decorrência do que afirmam com a convicção dos medíocres, a morte dos carrinhos dos supermercados… Meses atrás muito se comentou sobre as tais das “Novas Certezas” sobre tudo e todos. Coisas do tipo, “Novos produtos sem toque é o must daqui para frente…”. Meu Deus, tudo o que queremos e fazemos naturalmente é tocar, pegar nas coisas, nas pessoas, na vida, e agora teremos que comprar todos os produtos apenas olhando: de perto e de longe? Ou, “Provadores virtuais”. Socorro! Simulação de provadores no digital, um horror, mas, ok. Nas lojas, qual o sentido de se ir a uma loja se não pode tocar o produto, provar o sapato ou o vestido, sentir o cheiro do perfume… Nessa linha patética de raciocínio, muito brevemente, essas mesmas pessoas que preveem e advogam essa estupidez nos recomendarão visitar os restaurantes apenas para olhar as comidas, e irmos aos supermercados só para matar a saudade dos tempos em que víamos, mas podíamos pegar e colocar no carrinho, os produtos das gôndolas. Mais ainda, profetizam o fim dos carrinhos! Ou, e ainda, que lojas vão se converter em minicentros ou terminais de distribuição. Esquece, provisoriamente, diante da fragilidade dos Correios, as lojas aproveitam algum espaço vazio para quebrar esse galho, mas, quem comprar a distância, vai querer receber seus produtos em casa, e quem comprar presencialmente, compra e leva consigo na sacola ou saco, ou recebe em casa dias depois como são nas compras de geladeira, fogão, televisores e assemelhados. Loja é loja, e terminais de entrega são serviços completamente diferentes e antagônicos. Ou, agora as pessoas vão trabalhar nas lojas… Parece que não ouvimos ou lemos direito… Mas, é isso mesmo, está em matéria recente no Estadão, “Além de oferecer a oportunidade para o consumidor experimentar produtos, a loja física também pode ser um local para o cliente ter acesso a serviços, como conserto de bicicleta, ou espaço de trabalho com internet ultrarrápida disponível…”. Talvez fosse melhor trabalhar nas árvores, nos galhos mais altos… Sem comentários. Pior que a pandemia da Covid-19, é a pandemia de estultices e ignorância para a qual nem existe e nada se faz para uma vacina urgente. Para ontem.
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 10/11/2021

GRUPO POSITIVO, uma referência única de garra e determinação no território da tecnologia, e um exemplo irretocável de como nosso país tem tratado de forma medíocre o digital.
Negócio

A debandada dos imóveis comerciais

Faltava um pretexto. Ou, se preferirem, uma razão definitiva. E assim, o que estava previsto para acontecer mais adiante foi antecipado pela pandemia. Muitas funções nas empresas sempre foram realizadas a distância. Há mais de 50, 60, 80 anos… Utilizando-se os Correios, telefone, telex, e tudo o mais. Eram os milhares de vendedores que passavam dias, semanas, meses e anos viajando por todos os cantos deste país continental que é o Brasil. E a cada nova cidade mandavam os pedidos por cartas, telex, e tudo mais. De 2000 para cá passaram a mandar pelo digital, recorrendo à internet, tablets, celulares, smartphones. Mais adiante, as empresas de telemarketing, que empregam centenas de milhares de brasileiros, decidiram-se mudar das mesmas localidades das empresas para as quais prestavam serviços, para outros locais e cidades com farta mão de obra, de infraestrutura adequada de comunicação, e onde o vale refeição fosse menor. E assim, as empresas de telemarketing foram deixando os grandes centros. E nesse ritmo, e gradativamente, outras funções passíveis de serem realizadas a distância seguiram o mesmo caminho, mas, em ritmo lento e moderado. A pandemia acelerou tudo. E, assim, todas as funções que podem ser realizadas a distância, porque são mecânicas e operacionais sem maiores preocupações de estratégia, planejamento, reflexões, onde a presença física não é essencial, não voltarão para as matrizes e filiais das empresas. Permanecerão a distância. Com pessoas trabalhando para sempre em home office, e para tanto terão que ser treinadas, capacitadas e aparelhadas. Conclusão, o esvaziamento dos edifícios corporativos que só aconteceria pra valer na década de 2030 foi antecipado em 10 anos, e revela-se robusto e poderoso agora, em poucos meses, e no final ou controle da pandemia com a vacinação. Drucker, décadas atrás dizia de sua estupefação diante de empresas obrigarem seus funcionários de 80, 90 e 100 quilos passarem de duas a quatro horas de todos os dias empoleirados nos transportes coletivos, quando tudo o que as empresas precisavam eram de seus cérebros que pesam menos que 3 quilos. A Covid-19 determinou, agora, essa mudança definitiva. Conclusão, o esvaziamento dos edifícios corporativos nos grandes centros do Brasil é exponencial e muito maior do que admitem os proprietários de imóveis. Os proprietários mais sensíveis se deram conta do tsunami que vem pela frente e rapidamente antecipando-se, propõem reduções de até 50% nos aluguéis para preservar as empresas locatárias, e não terem que assumir o IPTU e o condomínio. Mas muitos ainda não se deram conta, e, muito rapidamente, verão suas propriedades vazias. Talvez, para sempre. Alguns dados que mais que documentam essa nova realidade. Entre os meses de abril e setembro do ano passado, apenas na cidade de São Paulo, foram desocupados e devolvidos 122 mil metros quadrados dos chamados edifícios classe A. Desse total, 73% ocupavam áreas com menos de mil metros quadrados. Na média, os aluguéis despencaram mais de 30%, e ainda continuam em queda devendo encontrar uma situação de nova realidade com uma queda final entre 50% e 60%. Grandes empresas começaram 2021 anunciando devolução da maior parte dos espaços que ocupavam. Dentre essas, e no Rio, a Vale. Dos 15 andares que ocupava na Torre Oscar Niemeyer, no Botafogo, devolvendo 11, numa primeira redução. Em São Paulo, mais da metade de todas as grandes empresas estão devolvendo, entre 30% a 70% dos espaços que ocupavam no início deste ano. Em janeiro de 2022 teremos enormes dificuldades em nos lembrar como era o mercado de imóveis corporativos 24 meses antes, janeiro de 2020, vésperas da coronacrise… É isso, amigos. Conviveremos nova década com milhares de metros quadrados e edifícios corporativos tentando revocacionarem-se em busca de novas utilizações. Dentre outras, e como já comentei com vocês, convertendo-se em hortas urbanas. Já que a pecuária urbana demora um pouco mais.
1
Negócio

Pelotons, os novos cabides

No ano de 2012, John Foley, que durante anos foi o CEO da legendária, combalida e decadente rede de livrarias Barnes & Noble, sem maiores pretensões, criou sua startup, Peloton. Uma empresa de bicicletas estacionárias com finalidade específica, colocar em forma seus compradores e cuidar de suas saúdes. Desenhada especificamente para essa função, e com uma tela bem maior do que as que se costuma encontrar nas bicicletas estacionárias e para exercícios físicos no mesmo lugar. Assim, a vida seguia seu curso normal e sonolento para a Peloton. E aí veio a pandemia. E os americanos descobriram a Peloton. Por US$ 2,2 mil, na compra, e mais uma assinatura mensal de US$ 13, toda a sabedoria e conhecimento dos mais renomados instrutores de pedaladas, corridas, e spinning. Muito rapidamente ganhou o apelido da bicicleta Netflix, ou a Netflix das Bicicletas, ou ainda Netflix Fitness… Até agora, que se saiba, é impossível utilizar-se as telas da Peloton para qualquer gambiarra que dê acesso a filmes, canais de streaming, e outros derivativos mais que só distraem a atenção e inibem o desempenho físico esperado, e todos os benefícios decorrentes para a saúde. Ou seja, os adeptos da Peloton só têm um único e mesmo conteúdo nas telas, e para a função do que pretendiam com suas bicicletas. Cuidar da saúde e do corpo. Entrar em forma. Na prestação de contas do trimestre olho do furacão da pandemia, abr/jun2020, um faturamento de US$ 670 milhões. Quase 200% a mais que o mesmo trimestre de 2019. No Brasil, e com as academias fechadas, algumas das academias ofereceram a seus melhores alunos por uma bagatela – R$ 399/mês, o aluguel de suas bikes para spinning. A Bio Ritmo, por exemplo, alugou para seus melhores alunos as 500 bicicletas que possuía em diferentes unidades, e enquanto essas unidades não reabriam pra valer… É isso, amigos. A pergunta que não quer calar. O que vai acontecer com as milhares de Pelotons nos Estados Unidos depois da vacina e fim da pandemia. O mesmo que aconteceu com suas avós e mães, as bikes estacionárias que as antecederam. Virar cabide. Não existe previsão mais óbvia que essa. Se trabalho a distância é um tédio, solidão, tristeza, isolamento, anti-humano, o que dizer-se de ginástica, ou condicionamento físico a distância. No dia seguinte à volta, e quando todas as garantias de segurança forem resgatadas, as academias ficarão abarrotadas. Ao menos nas primeiras semanas e meses. E o cabide Peloton terá que se conformar com roupas dependuradas em seu guidão, selim, e demais compartimentos… Quem sabe chinelos nos pedais…
Negócio

O “baile da ilha fiscal” das big techs, ou, os dias de “Wine and Roses” chegaram ao fim…

No dia 9 de novembro de 1889, um sábado, decidiu-se prestar uma homenagem aos oficiais do navio chileno Almirante Cochrane. Decidiu-se por um grande baile na Ilha Fiscal. Mal sabiam os homenageados, e todos os demais que participaram que aquele seria o Último Baile da Monarquia. Dias depois, 15 de novembro, sexta-feira seguinte, veio a Proclamação da República Brasileira. De certa forma 2020, o ano da pandemia, foi uma espécie de Baile da Ilha Fiscal das Big techs. Pode ser até que ainda demore mais de um ano, mas, dois, três… Em hipótese alguma. Assim, e como era de se esperar, as big techs, mais abençoadas ainda pela pandemia, racharam de ganhar dinheiro em 2020. Google, Amazon e “Feice”, para ficarmos apenas em três, juntas, fizeram um lucro em 2020, de mais de US$ 200 bilhões. Apenas a título de ilustração o desempenho de algumas das big techs. A Amazon ganhou – lucro líquido – US$ 21,33 bi, o equivalente a 84% a mais que no ano anterior. Uma Netflix, ainda uma das menores big techs, mas representativa do território que não para de crescer e que é o streaming, alcançou um lucro de US$ 2,76 bi, contra US$ 1,87 bi do ano anterior, 2019. E até a mais emblemática e mais recente das big techs, a empresa de Elon Musk, a Tesla, que em 2019, ainda nadava num vermelho vivo, com um prejuízo de US$ 862 milhões, saiu do vermelho e encaminha-se para um lindo azul: um lucro de US$ 690 milhões. O Google bateu num lucro de US$ 40,51 bi, 25% a mais que o lucro de 2019. E o “Feice” chegou nos US$ 29,15 bi, um crescimento de 18%. A Microsoft, a vovó das big techs, pelo espetacular desempenho de suas nuvens, alcançou um lucro de US$ 44,28 bi, 13% a mais que em 2019. E fechamos com aquela que ainda e com total merecimento, por sua beleza, é a mais cortejada dentre todas, a Apple, com um lucro de US$ 57,4 bi, 20% a mais que em 2019. É isso, amigos, a farra de crescer e prosperar num território de pouca ou nenhuma regulamentação, e dar mordidas generosas e substanciais em cadeias de valores tradicionais, possibilitou às big techs uma década de fartura e riquezas. Muito provavelmente seguirão ganhando um bom dinheiro nesta nova década. Mas jamais como nos dias, como dizia a música, de Wine and Roses, de alegrias, felicidade, prosperidade e sucesso. Lembram, “The days of wine and roses Laugh and run away Like a child at play Through the meadowland toward a closing door A door marked “Nevermore” That wasn’t there before…”. “Dias de vinhos e rosas, de felicidades e alegrias, como de crianças a brincar… Agora uma porta fechando, Com uma placa escrita nunca mais… E que não estava ali antes…”. Ou como respondia o Corvo na poesia monumental de Edgard Allan Poe… Quando as big techs voltarão a rachar de ganhar dinheiro…? E o corvo responde, nevermore… Acabou. Ou melhor, está acabando…
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 06/08/2021

BRECHÓSWORLD! Baixou o desapego! Todos vendendo o que deixaram ou esqueceram guardado em gavetas e armários. E quando acabar as tralhas e quinquilharias, o business sobrevive?
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 06/07/2021

CENAS DA PANDEMIA. Uma pequena livraria só de autoras mulheres; pessoas que trabalham da cama, à moda WINSTON CHURCHILL e FRIDA KAHLO. E um fabricante brasileiro de MOTORHOMES.
Negócio

A pergunta que Veja não fez

Na Veja de meses atrás, páginas amarelas, uma longa entrevista com Claudia Woods, 45 anos, nascida em São Paulo, mas que morou 10 anos nos Estados Unidos, e hoje comanda o Uber no Brasil. Claudia falou sobre tudo. E só não respondeu a pergunta que todos esperavam que Veja fizesse, porque Veja, sabe-se lá por quais razões, não fez. Dentre outras preciosas informações decorrentes da experiência do Uber em nosso país, Claudia disse: Sobre o impacto da pandemia nos negócios do Uber: Uma redução de 80% no total das viagens; Sobre as pessoas que estão retornando a uma situação de quase normalidade: Os jovens, entre 18 a 34 anos, são os que mais se movimentam num cenário de reabertura – restaurantes, casa de amigos, academia. Sobre o Brasil comparado a outros países: Pela dimensão continental, e milhares de cidades, um comportamento não linear. Quase que um comportamento específico em cada local. Sobre home office e o Uber: Hoje o Uber vem sendo muito mais utilizado para atividades ligadas ao lazer e a diversão. 68% das pessoas que saem de casa e consideram a possibilidade de beber deixam seus carros nas garagens. Sobre mais entregas: Grande crescimento nos serviços de compras e entregas. E viagens compartilhadas praticamente caíram a zero e levarão mais tempo para alguma recuperação. E a pergunta que não foi feita, e portanto não pode ser respondida, é, “Por mais quanto tempo o Uber permanecerá vivo vendo os prejuízos acumularem-se de forma exponencial e no correr de toda uma década?”. Apenas no ano de 2019, o prejuízo foi de US$ 8,5 bilhões. Em 2018, o prejuízo foi de US$ 1,8 bi. Em 2017, US$ 2,2 bi… E em 2020, surpresa, US$ 6,7 bi de prejuízos… Será que mudaram os critérios do que é hoje, nestes tempos loucos de disrupção e startups, uma empresa saudável. E ganhar dinheiro virou bobagem…? Todos se perguntam por quantos anos mais o Uber resistirá. Tecnicamente, e a luz de hoje, o Uber faliu! Mas, a vida tem nos ensinado que quanto maior o tamanho do desafio, mais difícil enfrentá-lo. Assumir a realidade e estancar a sangria. Assim, os mesmos investidores que injetaram bilhões no Uber, e agora tentando evitar perder tudo, dispõe-se a investir um pouco mais. E fingem que acreditam… E tudo o que sobra é o bordão, “não pergunte por que as pessoas são assim; são assim, mesmo”.
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 22/06/2021

LUPO, A MÁSCARA DA PANDEMIA. A LUPO jamais fabricara uma única máscara. Agora fabrica 250 mil todos os dias. Tudo começou com um pedido de socorro da SANTA CASA de ARARAQUARA. No exato momento em que comemorava seus primeiros 100 anos de vida…