Tag: MRV

butnews

Maio 2022

BUT – BUSINESS TRENDS – 04/2022 – MAIO/2022 Síntese mensal das principais movimentações, acontecimentos, registros no ambiente de negócios do Brasil e do mundo. Um trabalho de pesquisa, coleta de dados, análises e reflexões da equipe de consultores do MadiaMundoMarketing ― a única empresa de consultoria em todo o mundo que tem em seu DNA a ideologia da Administração Moderna, o Marketing. Sempre sob a orientação e mentoria do maior dos mestres da gestão e dos negócios, PETER FERDINAND DRUCKER. 1 – O ATAQUE De repente todos se assustam com a quantidade absurda de pessoas que passaram a acessar os e-mails e redes sociais tentando vender tudo, de tudo, e para todos. De onde surgiu esse exército de vendedores da noite para o dia? Do movimento que vem fazendo quase todas as empresas da chamada VENDA DIRETA, leia-se AVON, NATURA e todas as demais, no sentido de preparar, treinar e qualificar seus exércitos de milhões de vendedores para que usem todos os armamentos da tecnologia. Lembra, costumávamos, ou durante décadas, chamávamos essas vendas de PORTA A PORTA. Agora, computador a computador, a smartphone, a tablet, a notebook e muito  mais sem tirar a bunda da cadeira, economizando sapato, roupa, transporte, alimentação. Em recente entrevista a JOÃO SORIMA NETO de O GLOBO, ADRIANA COLLOCA, presidente da ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas trouxe uma rápida fotografia sobre essa nova realidade. “Hoje”, diz ADRIANA, “54% do total das ex-VENDAS PORTA A PORTA são feitas a distância pelos canais digitais. Apenas as entregas que seguem porta a porta…”. Se na medicina, agora o desafogo e solução foi a chamada telemedicina, na chamada “terapia individual” que eram as visitas mensais que as vendedoras AVON faziam as suas fiéis clientes todos os meses em suas casas, agora uma espécie de teleterapia individual é realizada pelas mesmas vendedoras. Hoje, e segundo a ABEVD, a situação das vendas diretas no Brasil é a seguinte: – O BRASIL é hoje o sexto colocado no negócio de VENDAS DIRETAS em todo o mundo. – Dentre todos os canais onde ocorrem as VENDAS DIRETAS, a INTERNET já ocupa a primeira colocação com 20,6%, seguido pelo WHATSAPP empatado com as vendas nas casas dos clientes com 18%. O país líder em vendas diretas segue sendo os ESTADOS UNIDOS, com CHINA em segundo e a ALEMANHA na terceira posição. – No ranking dos produtos mais vendidos, a liderança segue com os Cosméticos e Produtos de Cuidados Pessoais com 52%, seguidos por Roupas e Acessórios, e depois, e bem distante, Alimentos e Bebidas, e outros produtos. 2 – 5G, OU, ALTA VELOCIDADE E BAIXA LATÊNCIA Prepare-se, em meses nossas vidas vão mudar. Começa a chegar o 5G. Pelas principais cidades do País, e se você mora numa delas, sua vida vai mudar. Para melhor, para muito melhor. E a síntese do 5G é essa. ALTA VELOCIDADE, BAIXA LATÊNCIA. ALTA VELOCIDADE baixar um vídeo de 2 horas em menos de 1 minuto. BAIXA LATÊNCIA é apertar um botão e o acionamento acontecer no ato. Esses dois exemplos clássicos sobre as duas situações combinadas são os mais dados. E que cada um reflita sobre esses exemplos para todas as demais situações. Assim, em termos de transmissão, os chamados CARROS AUTÔNOMOS viabilizam-se. Sem o 5G seria um assassinato em massa. Até o automóvel responder aos sensores algumas pessoas teriam sido atropeladas. E na baixa latência, um cirurgião aciona o bisturi em Tóquio, e um paciente, em Taubaté vê aparecer um corte em sua barriga. O exemplo é meio tosco, mas talvez o que traduza com maior clareza a importância do 5G. Em decorrência, viabilizam-se milhares de novos negócios, dependentes de alta velocidade e baixa latência. De todas as novidades decorrentes, a que mais me atrai e motiva é a possibilidade da chamada AUDIÊNCIA IMERSIVA. De continuarmos de nossa casa, acessando o mundo inteiro por gadgets, mas com a possibilidade de ingressarmos nos ambientes e termos uma experiência muito próxima da presencial. Com a ajuda de um óculos específico. Com o 5G, veremos o mundo como jamais vimos até agora. Apenas isso, e aí infinitas possibilidades de novos negócios, e de velhos negócios devidamente renovados, saltarão a nossos olhos. Vamos aproveitar. 3 – NÃO SERÁ COMO O IMAGINADO, MAS SERÁ DIFERENTE. E aí veio a WEWORK, e o negócio de COWORK foi ganhando consistência e dimensão. Mas, de verdade, ninguém estava convencido que seria nesse sentido. Faltava um empurrão, uma lufada de ar, uma ventania, um tsunami, e veio… A pandemia! E aí, querendo ou não querendo, na falta de alternativa, milhões de pessoas no mundo todo e de forma urgente e improvisada passaram a trabalhar em casa. Um mês, 2,3,4,5 18 meses, e o questionamento é geral. Conclusão, JANEIRO 2022, uma nova realidade. E que nova realidade é essa? – Com exceção de ocupações onde a presença física é da essência da atividade, tipo linha de montagem, empacotamentos, fulfillment, e demais, o trabalho presencial assim seguirá com pequenas variações. Já em todas as demais, modulações. Pessoas trabalhando o tempo todo a distância e circunstancialmente a distância, e vez por outra encontrando-se para confraternizações, convenções, e outras atividades mais de cunho social ou componente social do que de trabalho propriamente dito. Isso posto, é possível traçar-se um primeiro esboço do próximos anos. Parcela expressiva das empresas, a maioria, seguirá trabalhando a distância. E toda uma cultura de trabalho a distância será aperfeiçoada e amadurecida, incluindo o desenvolvimento de novos espaços e equipamentos, assim como sucessivas e novas gerações de plataformas para trabalhos a distância. Os WEWORKS da vida, genericamente COWORKS, que nasceram para abrigar parcela expressiva dos profissionais de uma empresa, na maior parte das situações, locarão exclusivamente duas ou três salas para empresas e para as funções melhores desempenhadas pessoalmente, com direito às empresas de promoverem reuniões semanais ou mensais com parte ou a totalidade de seus colaboradores, nos espaços dos coworks, para assuntos mais que relevantes. Ou seja, a crise nos imóveis corporativos, é irreversível e definitiva. Durante uma ou duas décadas as incorporadoras e construtoras deveriam dedicar-se mais a retrofits e adequações de espaço do que a construção de novos espaços. Novos espaços serão a exceção da exceção. Esse quadro hoje é tão óbvio que passou a ser recorrente, em todas as atividades onde os profissionais têm a chance de novos empregos, colocarem em primeiro lugar as empresas que  possibilitam e oferecem o trabalho a distância. E todos os dias, em quase todas as empresas que forçam o trabalho presencial, até mesmo oferecendo promoções, tudo o que testemunhamos é uma debandada de colaboradores. Isso posto, conclusões, o COWORK seguirá prosperando, mas num novo formato e devidamente adaptado. Os profissionais darão preferência às empresas que ofereçam a possibilidade do trabalho a distância. E os imóveis comerciais, prédios, andares, salas para escritórios, pelos próximos 10 anos deveriam ser esquecidos pelas incorporadoras em termos de novos lançamentos… Aconteceu. Sem a pandemia não seria assim. Mas, a pandemia veio e mudou tudo e para sempre. 4 – À LUZ DOS NÚMEROS, UM PÉSSIMO NEGÓCIO Fundada no início da década passada, o DR.CONSULTA constituiu-se numa auspiciosa novidade no território da saúde. Finalmente, um plano acessível e que garantia um atendimento básico com um mínimo de qualidade. Causou impacto, conseguiu acionistas de peso e reconhecimento público, mas, na prática, jamais deixou de ser uma promessa distante de se concretizar. Agora anuncia a aquisição de uma participação minoritária na startup CUIDAR.ME, que também atua no território do baixo custo, convertendo-se, também, em PLANO DE SAÚDE, e passando a atuar no território dos planos individuais, onde, e neste preciso momento, e para cair fora de um negócio que quase todos consideram um MICO, a UNITEDHEALTH, que comprou a AMIL, pagou mais de R$300 milhões a uma outra empresa para poder cair fora. Ou seja, os planos do DR.CONSULTA seguem confusos. Aparentemente, um importante insight, 10 anos atrás, mas que segue à deriva, e na busca de uma tábua de salvação. Lemos os números divulgados na imprensa e ficamos mais perplexos ainda.  Seguramente, a conta não fecha e segue operando no prejuízo. Dizem as publicações: “Este ano, a empresa diz ter atendido 900 mil pacientes únicos, registrado 2,2 milhões de visitas em suas unidades, e realizado 2,4 milhões de exames. Alcançando uma receita líquida, em 2021, de R$315 milhões. 20% a mais que em 2020”. Dividindo-se esses R$315 milhões pelos 2,2 milhões de visitas e 2,4 milhões de exames, já constatamos um valor unitário, simplesmente pífio. Objetivamente, e não obstante a ótima receptividade inicial, o DR.CONSULTA segue na busca de um caminho, na esperança de uma luz… E ainda e agora, com a adesão aos planos individuais, essa perspectiva fica mais distante, ainda. 5 – 4,2 MILHÕES JOGARAM A TOALHA. POR ENQUANTO, PROVISORIAMENTE. Batendo todos os recordes, brasileiros decidiram deixar o País em busca de melhores oportunidades, ambientes mais amigáveis para negócios, e classe política minimamente mais honesta e competente. É o maior número de brasileiros pulando fora dos últimos 10 anos: 4,21 milhões. E aí o CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS da FGV decidiu conferir se existem mais brasileiros pensando ou considerando partir. E aí a constatação, ou susto, para alguns, foi maior ainda: 47% dos brasileiros entre 15 a 29 anos não veem a hora de fazer as malas e saltar fora. Ou seja, conseguimos, somos um país onde metade dos mais jovens não mais acredita e pretende partir. Há 20 anos, esse número era inferior a 20%. PEDRO BRITES, professor de Relações Internacionais da FGV, assim comentou o resultado do estudo: “Esse movimento nos últimos anos é inédito e representa, de fato, a maior diáspora da história brasileira para nossos padrões, um país que, historicamente, sempre recebeu imigrantes”. Nos tempos da chamada “revolução” tinha uma frase patética e absurda que dizia, BRASIL, AME-O OU DEIXE-O. Muitos, agora, dizem, AMO, mas, DEIXO. Triste realidade de um momento da história onde preservar seu capital de jovens, em plena disrupção tecnológica, é decisivo para a construção de um novo e melhor futuro. Neste momento o Brasil perde os jovens, e seus pais, também. Em alguns casos, e até mesmo, seus avós. 6 – ARREPENDIMENTO, SIM E SEMPRE É POSSÍVEL, DESDE QUE HONRANDO E ASSUMINDO EVENTUAIS PREJUÍZOS CAUSADOS. Em dois momentos, nos 42 anos da MADIA, vivemos uma mesma e constrangedora situação. Contratados por empresas, em decorrência de processos de consultoria, fomos encarregados de buscar novos executivos para o comando de determinadas áreas. Todo o processo seguiu normalmente, todas as entrevistas foram realizadas, os candidatos escolhidos demitiram-se das empresas onde trabalhavam, e a data de início do trabalho nas novas empresas definida. Numa das situações, tratava-se de uma profissional mulher, assumidamente homossexual, e assim que a notícia chegou na nova empresa foi alvo da revolta explícita de parcela de outras mulheres que ocupavam posição de liderança. A empresa, constrangida, desculpou-se pela situação, e procedeu a todos os pagamentos decorrentes de uma contratação que não se consumou. Numa outra situação tratava-se da contratação de um profissional de atendimento para uma agência de propaganda. Depois de demitir-se do emprego, e já preparando-se para começar na nova empresa, seu nome foi apresentado ao cliente que recusou ser atendido por aquele profissional. O mesmo aconteceu. Foi indenizado e saiu em busca de uma nova posição. Em outra dimensão isso acabou de acontecer na ESPANHA, com o SANTANDER. A toda poderosa do banco, ANA BOTIN, convidou ANDREA ORCEL, presidente do UBS, a assumir o comando do SANTANDER, globalmente. Depois de sucessivas reuniões, o convite foi formalmente feito através de correspondência de três páginas com os termos principais do contrato, setembro de 2018. ANDREA aceitou, demitiu-se, e, no início de 2019, ANA arrependeu-se e retirou o convite. ANDREA ingressou na justiça. Semanas atrás, o SANTANDER foi condenado a pagar uma indenização de € 67,8 milhões, julgando ter havido quebra de contrato de forma unilateral e arbitrária, causando “danos morais inaceitáveis” ao profissional. Isso posto, todas as decisões de contratações devem sempre ser revestidas de todos os cuidados. E todos os riscos avaliados criteriosa e sensivelmente antes da palavra final. Para que equívocos semelhantes não voltem a acontecer… 7 – “O BRASIL ESTÁ JOGANDO BEACH TÊNIS!” GASTÃO VIDIGAL era um banqueiro amado e odiado por seu gênio, personalidade, e destemperos. Afagava – raras vezes – e ia direto ao ponto outras. Nos poucos encontros que tivemos com ele sempre foi cordial e extremamente educado. Mas não deixou de alfinetar seus adversários, concorrentes e algozes. Dentre muitas das histórias a seu respeito, uma das mais conhecidas conta sobre o dia que uma das agências de propaganda levou uma nova campanha para sua aprovação, com o respectivo plano de mídia. Adorou a campanha, mas pediu uma mudança radical no plano de mídia. A agência recomendava spots de radio na parte da manhã – entre 8h e 10h – procurando sensibilizar as mulheres donas de casa e algum empresário preguiçoso que só trabalhava depois do almoço. Gastão recusou, dizendo: “Nessa hora está todo mundo jogando golf…”. Agora leio a correria dos ineptos e despreparados estupidamente atrás de patrocínios do “BEACH TÊNIS” – a suposta nova moda dos poderosos. Foram suficientes meia dúzia de quadras na Avenida Rebouças, em São Paulo (SP), para que alguns profissionais entorpecidos pelo açodamento e burrice proclamassem a suposta novidade, ou, segundo, eles, a nova realidade, ou, novo esporte da moda. Durante décadas, empresas investiram fortunas para falar com as mesmas 5 mil pessoas da cidade de São Paulo que se fartavam nas bocas livres, davam a sensação de sucesso para essas empresas, e todos iam dormir felizes como se esse comportamento correspondesse a alguma realidade, tivesse pífios 1% de consistência. Assim, e perplexos, lemos nos jornais empresas supostamente preparadas aconselhadas por suas empresas de “não consultoria” recomendando mergulharem de cabeça na suposta nova onda dos brasileiros: o beach tênis… Bancos, cartões, cervejas, tênis, construtoras, agora, patrocinando quadras de BEACH TÊNIS… O BRASIL INTEIRO, DO DIA PARA A NOITE, JOGANDO BEACH TÊNIS… Por uma questão de discrição e respeito deixo de citar marcas e executivos que trombeteiam nas principais publicações de negócios do País que, e finalmente, OS BRASILEIROS DESCOBRIRAM O BEACH TÊNIS. WHATTTT?????!!!!!!!! 8 – PETZ, OCUPAR ESPAÇO Um dos melhores exemplos de estratégia corajosa, decidida e vencedora dos últimos anos em nosso país é a de SERGIO ZIMERMAN e sua PETZ. Uma história clássica do LEVANTA, SACODE A POEIRA, DÁ A VOLTA POR CIMA. ZIMERMAN possuía um atacadão – SUPER BRASIL – que, literalmente, faliu. Sobre as cinzas da falência plantou, no mesmo espaço e local, seu PET CENTER, no ano de 2002. Em 18 anos, saltou do nascimento à maturidade e liderança. De uma primeira loja em 2002, e desde o início seguiu seu mantra: “expandir sua atuação fortalecendo cada vez mais a conexão com todos os apaixonados por pets”. E assim sucedeu. 11 anos depois da decolagem, recebeu um aporte do private equity WARBURG PINCUS que ficou com 50,01% das ações, claro, desde que SERGIO continuasse no comando. Hoje são mais de 100 lojas, em 13 estados, e cada unidade da rede com mais de 1000m², incluindo loja, centro de veterinária, mais banho e tosa. Agora, menos de 20 anos depois de renascer das cinzas, SERGIO anuncia os planos para os próximos anos. Investimentos da ordem de R$500 milhões, 50 lojas em 2022, seguindo na compra de empresas do mesmo território, com total sinergia e complementariedade. Na PETZ analógico + digital. Um terço de todas as vendas, hoje, acontece no digital, mas e a partir daí, 90% flui até a entrega a partir da base de lojas. Dentre as curiosidades do negócio da PETZ, diferente das demais organizações de varejo, é que nesse território não existem as marcas regionais. Assim, o ingresso de uma nova marca, independente da procedência, encontra resistência praticamente zero. Em entrevista à RAQUEL BRANDÃO de VALOR, e sobre os planos pós-pandemia da PETZ, SERGIO ZIMERMAN fez a seguinte declaração: “Tem uma tempestade, o céu está com nuvens pretas e, em 2022, vem trovoadas, mas fizemos estoque de guarda-chuvas. Estamos mais que bem preparados para aguentar as pancadas de chuvas…”. Isso significa que o caixa está mais que fortalecido, e a PETZ pretende aproveitar a oportunidade dos milhares de imóveis e pontos comerciais de qualidade disponibilizados no País pela pandemia, para avançar e ocupar espaço. Totalmente diferente da postura de todos os seus concorrentes… 9 – SÓ NO BRASIL Batendo todos os recordes da aviação comercial em todo o mundo, uma empresa aérea protagonizou um mais que clássico VOO DE GALINHA. Em poucos meses, de julho a novembro, decolou e tentou manter-se no ar, mas, não resistindo, espatifou-se no chão, jogou a toalha e declarou-se incompetente. Assim, e o NATAL de 2021 entra para a história em que 45 mil passageiros, com as devidas passagens em suas mãos, ficam a ver navios porque as do avião que compraram, nem sinal. E pensar que existe uma agência reguladora, a ANAC, responsável por autorizar novas empresas aéreas, novos voos e rotas e tudo mais. Presidida pelo economista JULIANO NOMAN, e em entrevista à imprensa, declarou, “Fomos pegos de surpresa…”. Meu Deus, se a agência responsável, que tem por obrigação fiscalizar à exaustão e só conceder autorizações quando não existe a menor dúvida considerando-se a natureza do negócio e que é a aviação, o transporte de passageiros, justifica-se alegando que “foi pega de surpresa“ – AGÊNCIAS REGULADORAS JAMAIS, EM HIPÓTESE ALGUMA PODEM RECORRER A ESSE ARGUMENTO, SEREM PEGAS DE SURPRESA – em quem confiar? Deveríamos continuar comprando os serviços das demais empresas aéreas fiscalizadas, controladas e reguladas por uma agência que se diz PEGA DE SURPRESA???!!! A entrevista de JULIANO, falando em nome da ANAC é um desastre total. Seus argumentos, pela omissão inaceitável, ultrapassam a ingenuidade, tipo, “a empresa que veio aqui na ANAC pedir o certificado é de transporte aéreo, um CNPJ diferente da empresa rodoviária que se encontra em recuperação judicial…”. Não passou pela cabeça dos diretores da ANAC e de seu presidente que existia alguma coisa a mais nos ares, além de aviões, na “incrível” coincidência de denominação – as duas chamam-se ITAPEMIRIM… Se essa é a forma de proceder da ANAC, se assim fiscaliza e controla a aviação em nosso país, recomendamos a todos triplicar as orações… 10 – RUBENS MENIN, A ENERGIA EMPREENDEDORA Poucos empresários brasileiros registram uma energia empreendedora da dimensão e vitalidade da de RUBENS MENIN. De Belo Horizonte (MG), 1956, está sempre à cata de novas e boas oportunidades. Que agreguem, além de negócios, o prazer e a felicidade de realizá-los. Desde o apoio que vem emprestando a seu clube do coração com enorme sucesso, o ATLÉTICO MINEIRO, passando pela sua admiração pelas notícias – CNN –, e o prazer dos vinhos de qualidade. Hoje, preside o Conselho da empresa de engenharia líder em seu território de atuação, a maior incorporadora da AMÉRICA LATINA, a MRV, além do BANCO INTER, mais a franquia da CNN para o Brasil, mais a empresa de galpões logísticos LOG COMMERCIAL PROPERTIES, e mais recentemente, 2018, decidiu investir em uma de suas paixões, o vinho. Nos últimos 3 anos, fez uma série de aquisições na região do DOURO, PORTUGAL – duas quintas vizinhas, e mais recentemente a vinícola Horta Osório, marca de duzentos anos na produção de vinhos. Segundo as pessoas próximas de MENIN até agora já investiu mais de €30 milhões em seu novo negócio, onde pretende alcançar, até a metade desta década, e em propriedades, um total de 400 hectares. Assim, e hoje, além de todas as demais empresas sob sua liderança e inspiração, MENIN vai ingressando de forma consistente no negócio de vinhos, com sua MENIN WINE COMPANY… Em tempos de dificuldades, pessimismo, apreensões, é sempre importante contarmos com exemplo de vida e energia como o de RUBENS MENIN… DRUCKER´S MONTHLY Nosso adorado mestre, quando perguntado sobre determinados temas, sempre gostava de recorrer a outras situações da vida, e fora do ambiente de negócios. Quando perguntavam a ele sobre os diferentes tipos de equipes que traduzem a média da grande maioria das empresas, a resposta que costumava dar era a seguinte: “Há somente três tipos de equipe. O primeiro envolve poucas pessoas como nas duplas de tênis. Em equipes pequenas, cada integrante adapta-se a personalidade, habilidades, pontos fortes e fracos dos demais membros. Em seguida vêm as equipes um pouco maiores, como as do futebol. Cada jogador tem uma posição fixa, e o time procura movimentar-se em conjunto, com exceção do goleiro. Por fim, equipes como as de beisebol, nos Estados Unidos, ou uma orquestra em que todos têm uma posição fixa. Dependendo do momento e das circunstâncias, uma organização pode atuar apenas com um tipo de equipe. De qualquer maneira, decidir qual esquema usar é uma das decisões mais arriscadas na vida de uma organização”. Assim, organize e disponha sua equipe, sempre, dependendo das características, circunstâncias e especificidades de seu negócio, e, claro, das competências e habilidades de cada um de seus membros. As referências de modelos de equipes são como roupas semiprontas. Sempre precisarão de um ajuste final, de uma customização, para dizer o mínimo. Hoje, nosso adorado mestre nos ensina e estimula a refletir, tomando como referência o esporte, e dentre os diferentes tipos e formatos e esquemas de se organizar uma empresa, três em especial. Vamos a eles. “Como disse anteriormente, nas empresas existem três tipos de equipes. Pequenas, como nas duplas de tênis, maiores, como nos times de futebol, e maiores ainda, como são as orquestras. Na primeira, cada um dos membros adapta-se às competências e habilidades de seu parceiro. Na segunda, cada um tem uma posição fixa, mas se movimentam em conjunto. E na terceira todos possuem posição fixa e têm nas partituras o momento certo de agir. As empresas norte-americanas atuaram durante décadas como orquestras. Já as empresas japonesas decidiram seguir o modelo dos times de futebol. Movimentam-se a partir da tarefa em execução, assim como o fazem os jogadores de futebol. Levaram uns 15 anos para dominarem essa forma de trabalhar, mas, uma vez dominado, conseguiram reduzir os tempos necessários em 2/3. Dos cinco anos que precisavam para o desenvolvimento de um automóvel, a TOYOTA, NISSAN e HONDA criaram novos modelos em 18 meses…”. E é isso, amigos. Sempre procurando adotar o melhor modelo em função do campo de atuação de nossa empresa, das características do mercado e atuação dos concorrentes, procurando formar a melhor equipe possível para desempenhar ao máximo dentro do modelo escolhido. Nada mais simples que, no entendimento. Nada mais desafiador, que, na prática.
1
butnews

Março 2022

BUT – BUSINESS TRENDS 02/2022 – MAR/2022 Síntese mensal das principais movimentações, acontecimentos, registros no ambiente de negócios no Brasil e no mundo. Um trabalho de pesquisa, coleta de dados, análises e reflexões da equipe de consultores do MadiaMundoMarketing, a única empresa de consultoria em todo o mundo que tem em seu DNA a ideologia da Administração Moderna, o Marketing. Sempre sob a orientação e mentoria do maior dos mestres da gestão e dos negócios, PETER FERDINAND DRUCKER. 1 – QUASE TUDO, NO LIMITE DO RISCO DE VIDA, FICOU PARA DEPOIS Os tais dos chamados procedimentos eletivos, aqueles que em tese aguentam um pouco mais, que podem esperar mais uns dias, semanas ou meses, quase todos, foram postergados em função da pandemia que ocupou a quase totalidade dos leitos hospitalares do país. Assim, e muito especialmente depois das festas de final de ano, filas e filas de pessoas que decidiram esperar, até mesmo porque não existia outra alternativa, nos hospitais tentando recuperar o tal do tempo perdido. As chamadas medidas de prevenção, os tais exames regulares, literalmente caíram quase que a zero. Segundo as últimas pesquisas, 90% dos exames que se realiza para detectar tumores precocemente deixaram de ser realizados. – Assim como 62% dos transplantes de rins; – 33% de exames oftalmológicos; – 32,8% dos exames de acompanhamento do HIV; – 23,4% dos exames para detectar complicações vasculares, e; – 23% dos transplantes de coração. No total do País, os cálculos referem-se ao adiamento de 2,8 milhões de cirurgias eletivas. Que terão que ser realizadas no correr dos próximos meses, fazendo com que os hospitais voltem a ficar lotados. Ou seja, amigos, atenuada, e mais alguns meses, espera-se, encerrada a pandemia, todos tentando colocar em dia os procedimentos adiados no correr dos últimos dois anos. 2 – A CRISE DO PETRÓLEO CHEGA ÀS RELIGIÕES Não todas, apenas as que têm por hábito recomendarem a seus seguidores e devotos que acendam vela. Com a disparada do petróleo, o preço da parafina, derivada do petróleo foi junto. E assim, e nos últimos 12 meses, o aumento no preço da parafina – matéria-prima principal das velas – bate em 100%. As famosas e tradicionais velas de 7 dias, saltaram de pouco mais de R$ 3,00 e agora já estão batendo nos R$ 8,00. Em alguns supermercados de São Paulo, já são vendidas por mais de R$ 10,00. Conclusão: absolutamente distante da realidade, mas, e por falta de velas que caibam no bolso, muitos fiéis fazem suas preces e pagam suas promessas acendendo velas no digital. Em seus computadores, notebooks, e especialmente smartphones. Existem duas dezenas de aplicativos para APPLE, e ANDROID oferecendo velas virtuais de diferentes tamanhos, formatos e luminosidades. Um dos mais populares, o VELA para ANDROID, e VELA VIRTUAL HD para iOS, promete: “você pode interagir com o fogo virtual de forma realista. A chama é viva e se movimenta o tempo todo, passível de ser controlada pelo movimento do celular e ainda, sua chama pode ser apagada se você soprar de forma sensível e respeitosa no microfone de seu aparelho…”. Já para os aniversários, a recomendação é usar velas antigas, já usadas, e guardadas de recordação nas gavetas. Muito especialmente a com números. Comemora-se o aniversário e não se envelhece… 3 – 10 anos em 2 Na expectativa dos especialistas, o comércio eletrônico responderia por 20% das vendas de todo o comércio, apenas e a partir de 2030. Porém, veio a pandemia. Por questões emergenciais e de sobrevivência grandes empresas pisaram com os dois pés no acelerador, na medida em que a venda a distância e pelo digital passou a ser a única alternativa. As grandes organizações de varejo, as maiores, do dia para noite tiveram que fechar a totalidade das lojas. Ou, no mínimo, 80%. E assim, e diante dessa nova realidade, empresas como VIA, LUIZA, MARISA, C&A, RENNER, PERNAMBUCANAS, AMERICANAS, e todas as demais, viram-se diante de duas alternativas. Ou improvisavam e aprendiam a vender a distância correndo todos os riscos, ou, segunda alternativa, não vendiam. Agora, os números mais recentes traduzem de forma precisa e objetiva, essa espécie de crescimento improvável e a fórceps, ou, maturação, ainda que de afogadilho, mais que precoce. Até fevereiro de 2020, o comércio eletrônico não conseguira ultrapassar, em termos de participação, a casa dos 10%. Segundo medida tomada pela FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, e para sermos mais precisos, o recorde era de 9,2%. Em quatro meses, esse percentual saltou para 19,8%, e hoje, pode se dizer consolidou-se acima de 20%. Ou seja, de cada cinco vendas, uma acontece no digital e a distância. O número preciso aferido pela FGV no mês de junho era de 21,1%. Olhando-se por um outro viés, e também sobre as medidas tomadas pela FGV, o que se observa é que antes da pandemia, 49,7% das empresas pesquisadas jamais fizera uma única venda pela internet. O índice específico é de 49,2% vendas zero pelo digital. 4 meses depois, julho de 2020, esse percentual despencou para 29,4%. E, na última medida, junho de 2021, 20,2%. Em síntese, amigos, e como era mais que previsível na medida em que o comércio analógico, em quase a sua totalidade, fechou suas portas, e tendo que consumir, comer, beber, manter seus hábitos de higiene, e caprichar na beleza, não restou outra alternativa às empresas do que aprender a vender a distância, assim com as pessoas de aprenderem a comprar a distância. E segue a vida, agora, e já com uma nova realidade e que só tende a encorpar em todos os próximos anos. 4 – O FIM DA SÉTIMA ARTE Em artigo carregado de emoção e fortes sentimentos, MARTIN SCORSESE, apontado em pesquisa como o nono maior diretor de cinema de todos os tempos, de certa forma, faz uma espécie de necrológio da chamada SÉTIMA ARTE. O CINEMA, como arte, deixa de existir, dando lugar à, e, exclusivamente, diversão. SCORSESE nasceu no QUEENS, NOVA IORQUE, no dia 17 de novembro de 1942. Já fez de tudo no cinema – produtor, roteirista, ator, e consagrou-se como diretor. Em 2011, e em pesquisa realizada pelo THE GUARDIAN, foi considerado o segundo maior diretor de cinema vivo, atrás apenas de DAVID LYNCH. Descendente de sicilianos, acompanhou, como rato de cinema que era, todo o eclodir da NOUVELLE VAGUE, do REALISMO ITALIANO, e agora, em artigo no LE MONDE DIPLOMATIQUE, coberto de razões, declara terminada a SÉTIMA ARTE, o cinema como manifestação de arte, que acabou sucumbindo e naufragando diante de todos os novos formatos em que se inserem mensagens e narrativas, através de som e imagem. No final de seu artigo, onde finaliza seu diagnóstico, talvez autópsia, SCORSESE diz: “Tudo mudou – tanto o cinema quanto a importância que lhe é dada em nossa cultura. Assim, não é de espantar que artistas como GODARD, BERGMAN, KUBRICK e FELLINI, que outrora reinaram como deuses da sétima arte, com o tempo acabaram nas sombras da memória. No ponto em que chegamos não há como garantir o que quer que seja. Não há como confiar à indústria do cinema a guarda do cinema. Hoje deixa de existir o cinema e prevalece o divertimento visual. O verdadeiro cinema, obra de arte, é esmagada e desaparece nas plataformas de streaming. Assim, só nos resta reprocessar e redefinir nossas emoções. O que é cinema, e o que não é cinema. E rever a obra de FEDERICO FELLINI pode ser um ótimo exercício. Pode se dizer muitas coisas sobre seus filmes, mas uma coisa é certa: são cinema. Federico Fellini percorreu um longo caminho para alcançar a posição de obra de arte. E aí fica a pergunta, como qualificaremos ou definiremos OBRA DE ARTE daqui para frente? Recorremos à sabedoria universal contemporânea, mais conhecida como WIKIPEDIA. E que diz: “Obra de arte é toda a obra criada ou avaliada por sua função artística ao invés de prática. E por função artística, se entende a representação de um símbolo, do belo. Apesar de não ser esse seu principal objetivo, uma obra de arte pode ter utilidade prática. Pode consistir num objeto, composição musical, arquitetura, pintura, texto, apresentação, filme. No entanto, o que é considerado uma obra de arte depende do contexto histórico e cultural, e do próprio significado de arte…”. Nesse sentido, e considerando-se o novo contexto, o cinema como arte morreu. Ou no mínimo, e sabe-se lá por quanto tempo, permanecerá hibernado. SCORSESE tem razão. 5 – A AGIOTAGEM, NOVA FORMA DE INVESTIMENTO Todos nós investidores, ou rentistas como gosta de falar PAULO GUEDES, depositávamos nosso dinheiro em confiança nos bancos, que assumiam o risco de administrar, emprestar, cobrar juros, e dividir conosco, uma parte do resultado. Não tínhamos a mais pálida ideia de onde ia parar nosso dinheiro. Sabíamos apenas que tínhamos confiado ao BRADESCO, ITAÚ, CAIXA, BANCO DO BRASIL, SANTANDER, e outros. Agora, com as fintechs, com a queda dos rendimentos, com juros negativos, passam a ser oferecidos investimentos, ou aplicações, “peer-to-peer”. Podemos, usando as plataformas das FINTECHS, nos convertermos numa espécie de NOVOS AGIOTAS, ou, se preferirem, e dada a conotação negativa que tem a palavra agiota, em AGIOTAS DO BEM. E os novos AGIOTAS DO BEM, além de alcançarem melhores rendimentos, ainda têm um ganho emocional, na medida em que investem suas economias em empresas que têm enorme dificuldade em conseguir dinheiro nos bancos. Numa matéria sobre o tema, em O GLOBO, o depoimento de um AGIOTA DO BEM, “Claro que o retorno financeiro foi importante, mas, tão ou mais importante, o propósito. O fato de saber que estou ajudando um pequeno empresário a melhorar seu negócio, fazer a economia girar, e que não consegue empréstimos no sistema bancário convencional…”. De qualquer maneira, e mesmo sendo através da plataforma de uma FINTECH, esse tipo de empréstimo não está coberto pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito, que em caso de quebras garante investimentos de até R$250 mil, por CPF e instituição financeira, em aplicações na poupança, LCIs, LCAs, CDBs, e outros títulos. Se o tomador dos recursos não conseguir pagar, e mesmo sendo um AGIOTA DO BEM, quem emprestou, o tal do AGIOTA DO BEM, vai ter que assimilar o prejuízo. 6 – E AGORA, PRA ONDE VENTA O VENTO? Para a surpresa de muitas pessoas, e em coletiva de imprensa, no dia 21 de setembro de 2021, o GOOGLE, talvez a estrela maior do DIGITAL, anunciou ao mundo ter comprado o edifício empresarial ST JOHN´S TERMINAL, na ilha de MANHATTAN, região central, Rua Washington 550, com 120 mil metros quadrados de construção, pela bagatela de US$2,1 bilhões, em frente ao Rio Hudson. Onde a empresa já se encontrava, mas, como locatária. E onde trabalham, próximos, num prédio também alugado, no CHELSEA, 12 mil profissionais. Uma lufada de esperança numa ilha, MANHATTAN, que viu seus prédios de escritórios, onde trabalhavam todos os dias mais de 1 milhão de profissionais, esvaziarem-se e permanecerem trancados, pela pandemia. Assim, e o ano entre maio de 2020 e abril de 2021 caracterizou-se como o de maior desocupação de espaços de escritório da capital do mundo, New York City. Nos planos do GOOGLE, e ao retrofitar o St. John’s Terminal, a criação de espaços híbridos de trabalho com novos espaços integrando as pessoas à natureza. Assim, o medo que muitos tinham, e ao comprar o que alugava e confirmando sua intenção de permanecer no analógico, o GOOGLE dá forte e consistente sinalização que continua apostando no trabalho presencial, não obstantes todo o arsenal tecnológico que é possuidor. 7 – PERDA DE TRAÇÃO Todos se acostumando. Essa a expressão que será mais ouvida neste ano em todos os setores de atividade. Por uma convergência de sucessivas circunstâncias e fatores negativos, a suposta forte tração que constataríamos na economia do País vai ficando para trás, enfraquecendo. Todos os dias, nas principais plataformas de comunicação, esse o assunto mais comentado. Semanas atrás, por exemplo, uma empresa que em todos os últimos anos só prosperou e se revelava infensa a crises, a MRV, campeã absoluta nos chamados IMÓVEIS DE ACESSO, acusa sintomas mais que evidentes de perda de tração em seu funcionamento, e joga para o próximo ano algumas das esperanças e expectativas e decorrentes metas para este ano. Falando ao VALOR, seu presidente, RAFAEL MENIN, disse, “Com a alta da inflação e o PIB – Produto Interno Bruto – ainda em processo de recuperação, o mercado imobiliário perde um pouquinho da tração no curto prazo. Mas, a expectativa é de seguirmos com o crescimento nos próximos anos…”. No terceiro trimestre encerrado em setembro a MRV lançou R$1,65 bi, 10% abaixo do mesmo trimestre do ano passado. Todas as demais construtoras e incorporadoras, com duas ou três exceções, acusam e alegam a mesma perda de tração a partir da metade deste ano. 8 – ESTADÃO, ESTADINHO O centenário ESTADÃO, segue ESTADÃO na cabeça e no coração de todos os seus leitores e assinantes que se habituaram com o jornal, de bisavô, para avô, para pai, para filho, só que a partir do domingo, 17 de outubro de 2021, o ESTADÃO virou ESTADINHO. No tamanho/formato. Do ponto de vista do leitor, só vantagens, em termos de facilidade e praticidade de transporte e leitura. No entanto, e na medida em que seus principais concorrentes, FOLHA, O GLOBO, VALOR seguem no formato STANDARD, o formato menor, BERLINER, não deixa de causar, no mínimo, um estranhamento. Muito especialmente para os que compram ou assinam dois ou três dos quatro jornais. Não deixa de intrigar na cabeça das pessoas, uma instituição que durante décadas acostumou-se a chamar ESTADÃO, agora apresentar-se numa versão ESTADINHO. Sim, e definitivamente, design e forma continuam valendo e muito no processo de BRANDING. Mas, muito provavelmente, mais cedo ou mais tarde, seus principais concorrentes, repetimos, provavelmente, seguirão o mesmo caminho. FRANCISCO MESQUITA, presidente executivo e membro do Conselho de Administração do Estadão, em entrevista à BÁRBARA SACCHITIELLO, do MEIO E MENSAGEM, posiciona este novo movimento do mais tradicional jornal brasileiro: “Parte de um processo de um conjunto de ações que visam transformar a empresa em uma NEWSTECH…”. Vamos conferir e refletir sobre algumas das declarações daquele que é carinhosamente chamado pelo mercado de CHICO MESQUITA. – SOBRE A ESSÊNCIA “Somos uma empresa jornalística, não abrimos mão de nosso core, de tentar impactar positivamente o País, mas utilizando as tecnologias que hoje estão à disposição. Depois de analisarmos todas as plataformas, concluímos que não é suficiente estar presentes nesses ambientes, mas, sim, disponibilizando um conteúdo de acordo com cada plataforma. Da mesma forma como procedemos com os produtos digitais fizemos cinco pesquisas para conhecer como os assinantes consomem o conteúdo no formato impresso e tradicional. E isso resultou numa mudança de formato, menor, onde a visão do produto segue vertical, porém mais adequado e moderno em relação à vida das pessoas.” – O FIM DAS FRONTEIRAS “Ao longo de nossa história, sempre nos defrontamos com novas maneiras de as pessoas terem acesso à informação. Com o rádio, televisão, cinema, TV por assinatura, e nós tivemos poucas oportunidades de entrar em cada uma dessas possibilidades.  Já o digital nos permite participar de forma mais competitiva. Estamos nos transformando numa empresa jornalística multiplataforma, de uma maneira mais próxima da sociedade, com a capacidade de atuarmos mais nacionalmente e sem as barreiras dos elevados custos de logística. Hoje é possível escalar sem fronteiras…”. – PRINCIPAL OPORTUNIDADE “A grande diferença entre o analógico e o digital é a possibilidade de escalar. Em nosso caso, somando conteúdo de qualidade, tecnologia, e pessoas adequadas, podemos ambicionar um volume de assinantes muito maior. Se hoje o ESTADÃO, entre impresso e digital, tem 200 mil assinantes, pensar em 500 mil não é impossível…”. – OS DESAFIOS DO IMPRESSO “Não é mais viável entregar jornal em qualquer lugar do País, ou até mesmo e somente no Estado de São Paulo. Os custos de logística são muito altos. No entanto, na cidade de São Paulo, temos uma população muito grande, com alto poder executivo e elevado nível de educação. Se tivermos um produto adequado com preço certo existem chances de crescimento. Mas ainda esbarramos num teto que é a idade das pessoas. As novas gerações não foram criadas consumindo produtos impressos; e sim, digitais…”. – A BUSCA PELOS ANUNCIANTES “Estamos conseguindo capturar resultados mais rápidos no mercado publicitário. Deixamos de vender uma página ou um banner no site e estamos nos aproximando cada vez mais da marca e dos negócios de nossos clientes. Criamos uma estrutura chamada BLUE STUDIO para trabalhar junto com as agências e com os anunciantes. Para apoiá-los na exposição de conteúdo através de nossas plataformas. Estamos muito felizes com os resultados dessa área. Trata-se de um trabalho mais consultivo, de parceria, e mais transacional – veículo, agência, anunciante, e onde atuamos como parceiros desde a concepção da ideia…”. – TRANSFORMAÇÃO E MUDANÇA “As histórias de sucesso em todo mundo são casos de transformação e não de mudança. Na mudança tento deixar de ser A para ser B. Na transformação sou A e vou me transformando em B, procurando preservar ao máximo tudo o que já foi conquistado, e, simultaneamente atraindo novos mercados. Esse é, ao mesmo tempo, o segredo ou receita, e o desafio…”. É isso, amigos. De novo, o ESTADÃO, agora no formato “Estadinho”, talvez em sua mais corajosa mudança, dentre todas que realizou em sua história. Votos de sucesso, toda a torcida dado sua importância à historia da democracia  em nosso país, mas, essa credencial é uma ótima credencial, mas não garante nada. Estadão, Globo, Folha, e outras empresas jornalísticas, ainda e por muitos anos, na tentativa de um atalho, de uma forma digna, consistente e sustentável, em busca de um lugar no Admirável Mundo Novo. 9 – VIDA DE ENTREGADOR, NO MUNDO DO DELIVERY O mundo do delivery já existia. Apenas, era menor e mais tranquilo. Com a pandemia, como acontece nos tempos de hoje, escalou. Agora temos um exército de milhares de brasileiros que vivem de seus desempenhos em motos, bicicletas, patinetes e celulares nas mãos, como ferramentas de trabalho. De certa forma, e mesmo sendo o que temos para hoje e para atenuar o desemprego, não deixa de ser uma espécie de VIDA DE GADO, da música do Zé Ramalho: “Vocês que fazem parte dessa massa, que passa nos projetos do futuro. É duro tanto ter que caminhar e dar muito mais, do que receber. E ter que demonstrar sua coragem, à margem do que possa parecer…”. Numa matéria espetacular de duas páginas no novo ESTADÃO, agora compacto e carinhosamente chamado de ESTADINHO, BRUNO ROMANI, no texto, e TIAGO QUEIROZ, nas fotos, revelam a realidade. Nem triste, nem trágica, nem lamentável, e glamour zero; apenas a realidade. Tudo o que a dupla queria era mostrar a realidade dos celulares dos entregadores dos serviços de delivery. Mas, por querer, ou sem querer, e além daquilo que levam nas mãos, revelaram os braços, os corpos, a vida. Em termos de números, e na média, um entregador fatura por mês em torno de R$ 2 mil. Claro, dependendo do quanto aguenta trabalhar. Das empresas de delivery, tipo iFOOD recebe R$5,00. E o grosso, ou maior parte, vem das gorjetas, e excepcionalmente, de promoções realizadas pelos aplicativos. E quase todos trabalham com um celular médio, na casa dos R$ 1 mil e poucos. Até a matéria do BRUNO e do TIAGO olhávamos para esses entregadores de bicicleta e moto não respeitando os sinais e acelerando, com um certo sentimento de revolta, até mesmo raiva pela forma irresponsável como se comportavam no movimento. Não chegamos, com raríssimas exceções, a xingar nenhum deles. Hoje, depois da matéria, respiramos fundo e, total respeito. Continuam atropelando a vida, os sinais, as regras, mas, não gostaríamos nem por mil dinheiros de estar no lugar deles. Lembram, “vida de gado, povo marcado, é povo feliz”. É? Terminamos trazendo três depoimentos da matéria. – “Quando encontrou a reportagem, KAWANE BIANCA, 24, não tinha ainda pagado a primeira das 12 parcelas de R$100,00 de seu MOTO E7. Pouco tempo antes caiu na ciclofaixa da FARIA LIMA ao passar num desnível de pista com o patinete que aluga do iFOOD. Diz, “fiquei três dias com dor, mas não fui ao hospital. No tombo a tela do meu J5 trincou, e o celular começou a ficar lento. Minha amiga falou que podiam me bloquear, então, parcelei um celular novo…”. – “Romarinho, ERICK NOGUEIRA, 21 anos. Também com um MOTO E7, recém-comprado, e o terceiro na sequência. Diz ROMARINHO, “O primeiro caiu e parou de funcionar e fiquei uma semana parado. No segundo entrou água de chuva e estragou. Fiquei um mês parado até comprar este terceiro…”. – O terceiro depoimento é de GUILHERME, que não aparece na matéria, apenas a foto de seu celular com a tela queimada por infiltração de água. GUILHERME HENRIQUE, 20 anos, diz, “começo a trabalhar às 11h. Meu SAMSUNG J7 está com a carga total. Quatro horas depois faço uma pausa para o almoço e a carga está em 45%. Para voltar a trabalhar preciso recarregar… Uma vez estava na rua do cliente e fiquei sem bateria. Lembrava apenas que seu nome começava com M. Fiquei chutando para o porteiro até acertar…”. E aí vem e fica a pergunta martelando em nossas cabeças, É ISSO MESMO? 10 – NOME E SOBRENOME DE RESPEITO A marca WALITA foi construída no correr de décadas, em caravanas mais que aguardadas que todos os anos visitava as principais cidades do País com a sua ESCOLINHA WALITA. A WALITA, na cabeça de muitas avós de hoje, não apenas inventou o liquidificador, assumiu a responsabilidade de ensinar a todas como usá-lo, régua e compasso, receitas e treinamentos. E, um dia, ganhou um sobrenome global, PHILIPS, outra marca construída durante décadas no coração da família brasileira, e onde, durante muitos anos, o único canal de contato com a vida e com o mundo era através dos rádios Philips, que ocupavam um lugar de destaque nas salas de visita, e onde as famílias se juntavam para ouvir o REPÓRTER ESSO, pela Rádio Nacional, todos os dias, às 18h. 2021, uma nova realidade. Todos os serviços que ficavam concentrados em meia dúzia de aparelhos da PHILIPS e concorrentes pulverizados, milhares de novos concorrentes, e as duas marcas lutando bravamente para preservarem uma parte do mundo que construíram e conquistaram e a caminho de 100 anos. SILVIA TOSHIE TAMAI é a head of marketing para a América Latina da divisão de produtos para casa da PHILIPS e foi entrevistada pela KELLY DORES, do PROPMARK. Na entrevista, algumas revelações. – DEMANDA DOS CLIENTES “Em nossos produtos para os lares e para as famílias temos uma linha muito forte. Através de pesquisas, descobrimos, por exemplo, a necessidade de um liquidificador com uma jarra inquebrável. E que ainda possibilitasse uma melhor limpeza com a remoção das lâminas. E foi o que fizemos. Uma nova jarra, inquebrável, com outros benefícios adicionais. E comunicamos as novidades de forma irreverente com a presença e testemunhal de AMANDA RIBAS, uma das principais lutadoras globais do UFC. Mulher, que passa a certeza da robustez, agregando ainda a componente diversidade, e alcançando um público mais jovem… Ou seja, um casamento ideal…”. – O DESAFIO DOS MAIS JOVENS “A PHILIPS WALITA é, indiscutivelmente, a marca líder, quando se fala em imagem de marca, em todas as faixas etárias. Mas, nas faixas mais jovens, 25 a 35 anos, não tem a mesma performance que alcança junto ao público mais velho. Assim, nossa comunicação tem procurado aproximar-se de maneira mais forte e consistente com os principais valores dos mais jovens: saúde, bem-estar, e esporte…”. – COMPROMISSO COM A INOVAÇÃO “O liquidificador segue sendo um ótimo exemplo. A PHILIPS WALITA é a única que oferece um liquidificador com jarra que não quebra. Antes, o consumidor, quando a jarra quebrava acabava conformando-se em comprar um novo liquidificador. Era mais interessante. Isso é ruim para o consumidor e péssimo para a natureza que vê um lixo plástico avolumando-se. Fomos atrás da empresa que produz o polímero para as janelas dos aviões. Encomendamos uma jarra que não quebra… Outro exemplo é o AIR FRYER, mais uma inovação da PHILIPS WALITA. Depois a concorrência veio atrás, mas a tecnologia AIR FRYER está patenteada. Os concorrentes podem copiar nome e formato, mas o que está por trás, a tecnologia, não, tem proprietário, e somos nós. E a próxima inovação é a de um novo processador que as pessoas personalizam com os acessórios que mais precisarem…”. – OS DESAFIOS DE SILVIA TAMAI No final da entrevista, KELLY DORES perguntou à SILVIA quais os principais desafios que a ela foram colocados quando assumiu a posição de head do marketing da América Latina. Diz, SILVIA: “Meu maior desafio, ou, principal missão, é a de preservar e fortalecer tudo de bom e forte que a marca construiu em 82 anos. Um portfólio completo, entregando sempre inovação e qualidade, tendo o consumidor no centro de todas as decisões, e, gradativamente, aproximar a marca dos mais jovens…”. DRUCKER´S MONTHLY Chegamos ao final desta edição com a oração e aprendizado de hoje, segundo nosso adorado mestre e mentor PETER DRUCKER.         Diferente dos trabalhadores da terra, das indústrias, e até mesmo os dos escritórios e serviços, o fator motivador dos TRABALHADORES DO CONHECIMENTO é outro e bem distinto. Conforme nos alertou nosso adorado mestre, antes da virada do milênio, quando escreveu: “Sabemos, há no mínimo 50 anos, que o dinheiro por si só não é motivação para um melhor desempenho. Mas, sua insuficiência, desmotiva. O que verdadeiramente motiva os trabalhadores do conhecimento é o mesmo que motiva os voluntários. Alcançar maior satisfação com seu trabalho que os trabalhadores remunerados. Precisam de desafios, de conhecer a missão da organização e nela acreditar, de treinamento contínuo, e de ver e alcançar resultados.” E, dia após dia, o único tipo de trabalhador que resiste e sobrevive é o trabalhador do conhecimento…
butnews

Outubro 2021

BUT – BUSINESS TRENDS 07/2021 – OUT2021Síntese mensal das principais movimentações, acontecimentos e registros no ambiente de negócios do Brasil e do mundo. Um trabalho de pesquisa, coleta de dados, análises e reflexões da equipe de consultores do MadiaMundoMarketing, a única empresa de consultoria em todo o mundo que tem em seu DNA a ideologia da Administração Moderna, o Marketing.Sempre sob a orientação e mentoria do maior dos mestres da gestão e dos negócios, PETER FERDINAND DRUCKER. 1 – FACA NOS DENTES Na terça-feira, 20 de julho de 2021, a B2W de certa forma deu por encerrado todo um ciclo de mais de 20 anos e decidiu concentrar todas as suas energias, competências, munições e armamentos numa única e mesma marca. AMERICANAS. Assim, Submarino submerge e todas as demais hibernam. Em verdade, AMERICANAS entra em campo, respaldada numa tradição de quase 100 anos, criada que foi no RIO DE JANEIRO, no ano de 1929, por JOHN LEE, GLEN MATSON, JAMES MARSHALL e BATSON BORGER – americanos –, e o austríaco MAX LANDESMANN. Marca mais que gravada no coração de três gerações de brasileiros, e agora conhecida por uma quarta por sua presença e relevância no digital. Desde 1982, os principais acionistas do GRUPO GARANTIA são os controladores da AMERICANAS. A formalização e institucionalização da estratégia foi documentada num anúncio na capa de O GLOBO e do VALOR e onde AMERICANAS diz que: “É TEMPO DE SOMAR.” E no texto: “Estamos celebrando o nascimento de uma nova empresa, a AMERICANAS, que no dia 19 de julho passou a operar na bolsa como AMER3. Resultado da soma da LOJAS AMERICANAS, com a B2W DIGITAL – uma marca que já nasce grande e com uma história para contar… “E o resultado dessa soma é muito mais que uma empresa de varejo, é uma plataforma de inovação tecnológica com infinitas possibilidades, que acelera o crescimento, nos torna mais ágeis e tem as pessoas no centro de tudo…”. E conclui afirmando: “Somamos mais de 1700 lojas físicas em todos os estados do País com as cinco plataformas digitais que atendem 100% dos CEPs brasileiros, e um portfólio único de marcas queridas por todos. Temos uma base de 90 milhões de clientes cadastrados, milhões de parceiros de negócios e um time de mais de 34 mil colaboradores…”. É esse o time, e um dos grandes e fortes concorrentes, e que tem como alvo: destronar o MERCADO LIVRE, e fortalecer-se para enfrentar AMAZON BRASIL, LUIZA, ALIBABA, dentre outros. Aos poucos, o palco da guerra vai se definindo… Mas a liderança do MERCADO LIVRE ainda é a perder de vista em relação a todos os demais MARKETPLACES concorrentes. 2 – CARLOS BRITO Ouvimos falar do BRITO pela primeira vez na agência de publicidade BRIDGE, de nossa querida amiga MARGOT SOLIANI, a BRIDGE, onde dividia o comando e a sociedade com o saudoso LUIZ CLAUDIO – CACAU – PAIVA DE AZEVEDO. Uma agência que nasceu para atender a AMBEV, e que era cliente da MADIA. MARGOT falava com emoção e esperanças sobre um jovem e talentoso estagiário da AMBEV, CARLOS BRITO, que passou uns dias trabalhando na agência. Semanas atrás, BRITO pendurou as chuteiras, aposentou-se. Depois de 15 anos na presidência da AB INBEV, despediu-se da empresa no dia 30 de junho. Na saída concedeu longa entrevista à EXAME, ao Diretor de Redação, LUCAS AMORIM, e fez uma síntese de seus 32 anos na empresa. Nessa síntese lições fantásticas de alguém que vestiu a camisa, mergulhou de cabeça, e só voltou à superfície de comprometimento, empenho e dedicação, 32 anos depois. Vamos tentar reordenar, com a licença do LUCAS e do BRITO, algumas das respostas em formato de lições. Vamos lá: A – OLHAR PARA FORA “Nós sempre montamos nossa empresa olhando para fora. Há muita gente lá fora e assim e quase sempre as melhores ideias encontram-se fora. Há 8 bilhões de pessoas tentando resolver problemas semelhantes aos nossos. Sempre visitamos muitas empresas e sempre tentamos comparar os talentos que estamos desenvolvendo com o que vemos lá fora. Essa sempre foi parte de nossa cultura. Somos muito modestos e sabemos que lá fora existem ideias muito boas…”. B – ORGULHO DE SER AMBEV “Orgulho-me de trabalhar numa companhia que vê as pessoas como única vantagem competitiva permanente. Orgulho-me de ter montado, junto com meus colegas, uma empresa em que nós resolvemos os problemas, nós corremos atrás das oportunidades, nós contratamos os talentos que vão ser melhores do que nós no futuro. Orgulho-me muito de ter princípios e não pegar atalhos… Queremos continuar a empresa para sempre. Assim, não tem jeito, temos que fazer as coisas do jeito certo, e do jeito difícil… Orgulho-me também de ser uma empresa eficaz na utilização dos recursos naturais… Arrependo-me de não ter ingressado na empresa cinco anos antes. Trabalhei em outras empresas muito bacanas, mas não eram tão espetaculares como a nossa…”. C – INOVAÇÃO E MUDANÇA “Chega um momento que a empresa fica tão grande que começa a resistir às mudanças. Construímos a empresa vendo nas mudanças oportunidades, e não ameaças. Como não somos perfeitos, em alguns mercados tentamos ir contra as tendências, contra algumas mudanças. Até que acordamos, abraçamos a tendência, e se revelou uma megaoportunidade de crescimento. Como a máquina é muito grande criamos uma unidade específica, a ZX VENTURES para as novas iniciativas. Uma equipe separada que só cuida de inovação. Quando os projetos são aprovados, voltam para a máquina e escalam. Foi lá que nasceu, por exemplo, o ZÉ DELIVERY…”. D – FUTURO “Depois que sair quero dar uma desligada. Vou tentar ter um pouco mais de tempo para meus quatro filhos e uma esposa com quem estou casado há 30 anos… A única certeza é que qualquer decisão que eu venha a tomar tem que cumprir três requisitos. Quero continuar trabalhando com pessoas que eu admire, respeite e aprenda. Quero trabalhar com um grupo de pessoas que tenham valores iguais aos meus. E quero trabalhar num lugar onde eu seja sócio… Meu pai é médico, 89 anos, e só fechou o consultório dele quando completou 86. Assim tenho mais 25 anos pela frente…”. E – ADMIRÁVEL MUNDO NOVO “O principal continuará valendo. O consumo nunca vai ter a vida baseada ou na loja da esquina ou na marca grande. As ocasiões se fragmentam cada vez mais. Tem hora que você olha preço, e hora que você não olha. Tem hora que você quer qualidade, e hora que só quer quebrar um galho. Hora que quer online, hora que não quer. A AMAZON comprou o WHOLEFOODS porque viu que em nenhum momento o consumidor resolveria 100% das coisas online; tem hora que ele quer pegar, testar… O que mudou é que há mais tecnologia e que permite fazer coisas que não conseguíamos. A vida está muito mais prática, mas as necessidades seguem as mesmas. Por outro lado, a tecnologia faz com que você, se bobear, perca muito tempo com besteira. Cria produtividade, mas produz distração. E os consumidores mais informados esperam das empresas não apenas produtos espetaculares, mas, e também, opinião…”. CARLOS BRITO, uma marca na espetacular história da AMBEV. Uma entrevista e matéria históricas, com ensinamentos espetaculares. 3 – AIRBNB E AS SOMBRAS Em entrevista à CNBC, no mês de junho 2021, BRIAN CHESKY, um dos fundadores do AIRBNB, quase em lágrimas afirmou, e referindo-se ao efeito da pandemia: “Levamos 12 anos para construir o AIRBNB e perdemos quase tudo em questão de quatro a seis semanas…”. Em verdade a pandemia causou um grande estrago no negócio do AIRBNB, mas as verdadeiras razões de preocupação dos fundadores da empresa bilionária são de outra ordem. É que dia após dia, a sucessão de problemas gravíssimos em decorrência do sistema de hospedagem tornam mais frágeis a sustentabilidade da empresa que encantou e ainda encanta o mundo. Os riscos inerentes ao produto AIRBNB são de grande dimensão e inadministráveis. E os problemas, acidentes, crimes, vão pipocando em diferentes lugares do mundo. Depois de anos de relativa calmaria, ou de pequenos acidentes contornados, algumas situações trágicas vão se revelando e multiplicando-se, expondo os elevadíssimos riscos que o sistema AIRBNB envolve. Na edição de EXAME do mês de julho, 2021, uma grande matéria da BLOOMBERG BUSINESSWEEK. E que começa com um crime ocorrido em Nova York, no primeiro andar de um prédio na rua 37, há poucos quarteirões de TIMES SQUARE. Um grupo de turistas australianas hospedou-se num edifício e em imóvel AIRBNB no ANO-NOVO de 2015. Terminado os festejos, uma das jovens deixou as amigas num bar e voltou ao apartamento. Não percebeu a presença de um homem, com uma faca, foi estuprada, acionou a polícia, conseguiram prender o bandido. Rapidamente a equipe de segurança do AIRBNB saiu a campo, levaram a vítima para um hotel, trouxeram sua mãe da Austrália… Dois anos depois, e em acordo, um cheque de indenização de US$ 7 milhões foi pago à vítima pelo AIRBNB… Casos como esse em outras e menores proporções repetem-se em todo o mundo e assim o AIRBNB vai constatando na prática, que as pessoas não são exatamente – todas – como idealmente gostaria que fossem, e que estranhos não necessariamente podem e devem confiar em estranhos. Some-se a isso a briga crescente de prefeituras em todo o mundo questionando a legalidade do tipo de serviço que o AIRBNB presta, e, que por sinal, não está previsto na quase totalidade das convenções de condomínios. Assim, mais que a pandemia, os fundadores do AIRBNB, hoje, convivem com consistentes dúvidas sobre a sustentabilidade do modelo atual, da ideia original e genial que deu fama e fortuna a todos eles, em poucos anos… Na matéria da BLOOMBERG BUSINESSWEEK, publicada por EXAME, a informação que nos últimos anos, e em média, o AIRBNB vem gastando US$50 milhões/ano para pagamentos tanto a anfitriões e hóspedes, em decorrência de “acidentes de percurso” nessa relação de relativa ou pouca confiabilidade… Outros casos de assassinatos e crueldades são mencionados na publicação, que preferimos não relatar, mas que tornam extremamente complicada a abertura de capital e a continuidade do AIRBNB, nos termos atuais… Ou, o que trouxe o AIRBNB até aqui não o levará mais a canto algum… 4 – O PERFIL DO COMPRADOR De longe, disparado, a melhor e mais importante referência, o melhor e mais consistente benchmark de habitação de entrada em nosso país, chama-se, MRV. A empresa que decifrou a charada, desenvolveu o empreendimento perfeito, e por total merecimento, tomou conta e lidera, com vários corpos de diferença, esse território. Em entrevista para a FOLHA, totalmente descontraído, e aparentemente sem nenhuma preocupação com a concorrência distante, EDUARDO FISCHER, COPRESIDENTE da MRV – divide a presidência com RAFAEL MENIN –, revelou informações da maior importância, e descreveu, em detalhes, o perfil do cliente e comprador dos chamados imóveis de entrada, os concebidos, planejados, edificados, e comercializados pela MRV. Vamos tentar traduzir da melhor maneira possível a descrição realizada pelo EDUARDO, “O cliente padrão, ou heavy user, tem uma renda familiar de R$3 mil. Está se desprendendo da base da pirâmide e tem uma limitação gigantesca em termos de capacidade de crédito. Em suas limitações econômicas, não tem condição de comprar um apartamento maior que inclua, por menor que seja, um espaço para home office. É o primeiro imóvel que compra, sua capacidade financeira é limitada, muitos deles acabaram de se casar, e estão saindo da casa dos pais. Como há necessidade de um espaço para home office – é uma nova necessidade decorrente da pandemia –, a MRV procura em seus empreendimentos sacrificar alguma área de lazer para a criação desse espaço, no caso, de coworking. Até e antes da pandemia nosso cliente era assalariado ou autônomo e passava o dia inteiro na rua, de manhã à noite, assim a demanda era para uma piscina ou quadra para os finais de semana. Hoje, e se não der, troca a piscina pelo espaço de coworking… Apenas lembrando, hoje a MRV, a empresa referência do mercado imobiliário brasileiro, é uma empresa fundada em 1979, tem quase 20 mil funcionários, um faturamento em 2020 de R$8,7 bilhões, com um lucro de R$550 milhões, presente em 162 cidades do País, de 21 estados e o Distrito Federal. 5 – LOJAS DE COLCHÕES NA PAISAGEM URBANA Quem mora nas grandes cidades do País, muito especialmente na cidade de São Paulo, fica intrigado com a quantidade de lojas que vendem colchões nas ruas de maior movimento. Na cabeça das pessoas, colchão é um produto que se compra poucas vezes na vida. Duas, três, talvez quatro no máximo, com um valor unitário relativamente elevado, e assim, muitos se perguntam como essas lojas se viabilizam pagando por instalações, equipe e aluguel elevados, na medida em que se situam em ruas de grande fluxo. E é pouco comum uma empresa desse território divulgar dados e informações. Mas, e agora, a SLEEP HOUSE, uma rede pertencente ao grupo espanhol PIKOTIN, comentando sobre seus planos de expandir suas instalações industriais no Brasil, assim como o número de lojas, revelou alguns números, muito especialmente contemplando seu modelo de franquia. A SLEEP HOUSE tem sua fábrica em SANTA CATARINA, quer abrir mais 50 franquias, totalizando 200 unidades até 2024. E aí começa a revelar os números. O faturamento da empresa neste ano de 2021 deverá ser da ordem de R$300 milhões, ou seja, uma empresa de porte médio. E, no plano de franquias, mais números. O candidato a franqueado deverá investir entre R$150 e 300 mil. Em verdade, uma franquia mais para exposição e vendas na em medida que a entrega, estoque e instalações permanecerão sob a responsabilidade da fábrica. Pelos cálculos da SLEEP HOUSE, um franqueado terá um faturamento mensal entre R$80 a 300 mil, com uma previsão de resultado líquido para o franqueado entre 8% a 12%. E aí, e diante dos números, a perplexidade só cresce. Como pessoas motivam-se a investir talvez a totalidade de suas economias, para um negócio de baixa rentabilidade e alto risco, e ainda sujeito a sazonalidades e intempéries? Ou seja, o mistério sobre as centenas de grandes lojas nas grandes avenidas das grandes cidades, grandes lojas de colchão, prossegue… 6 – DECORRÊNCIAS DO AMBIENTE DIGITAL Com as plataformas digitais, com as redes sociais, com a internet, enfim, a relação entre pessoas de diferentes países e nacionalidades, e entre países, também cresceu de forma acelerada e não para de escalar. Conclusão, muitas novas palavras são incorporadas definitivamente à língua dos países, e isso acontece, claro, com o Brasil também. Compete à Academia Brasileira de Letras cuidar das inclusões. De tempos em tempos lança uma nova edição do VOCABULÁRIO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA, mais conhecido como VOLP. O responsável pela atualização é a Comissão de Lexicologia e Lexicografia, sob o comando do professor EVANILDO BECHARA, hoje com 93 anos de idade e absolutamente saudável e lúcido. Semanas atrás, e depois de 12 anos – a última edição é de 2009 – uma nova atualização. Agora, e oficial e formalmente, nossa língua tem 382 mil palavras, na medida em que foram incorporadas, em relação à última edição, 1.160 novas. Dentre as novas, cunhadas localmente, figuram, judicialização, negacionismo, feminicídio, pós-verdade… Hoje, e apenas 0,5% de todo o nosso vocabulário oficial é constituído por estrangeirismos, e assim, e a partir de agora, e dentre esses, as novidades são, botox, bullying, compliance, coworking, crosfit, delay, home office, live-action, podcast, emoji, parkour… É isso, amigos. Mais alguns dias e algumas palavras que não apareciam nos dicionários eletrônicos passarão a aparecer… E a tendência, com a integração e globalização, é uma espécie de universalização de parte maior das línguas do mundo… 7 – A IMPORTÂNCIA DO CLIMA Claro, todos já se descobriram mais esfuziantes e felizes em dias de sol e temperaturas amenas, mais tristes e retraídos em dias de frio e chuvas, e, se pensaram e refletiram sobre esse comportamento, têm consciência da importância do clima em suas vidas. Assim, o clima corporativo, ou, o ambiente dentro das empresas, é de essencial importância para um comportamento mais integrado, positivo, colaborativo e feliz do capital humano dessas empresas, e que se traduz numa maior integração e compartilhamento de todos, como no sorriso detectável em todos os cantos, setores, divisões, unidades. Em síntese, pessoas felizes, produzem mais e melhor. Muitos estudos sobre a importância do clima já tinham concluído na mesma direção e sentido. Mas um estudo mais profundo e de maior duração acaba de ser concluído e traz relações da maior importância. De responsabilidade da UNIVERSIDADE DE YALE, que no correr de mais de 15 anos acompanhou regularmente exames de ressonância magnética de 3.279 pessoas. E concluiu que o CEREBELO, que encontra-se na parte posterior do cérebro e é o responsável pelos movimentos e controle das emoções, apresenta mudanças de tamanho no correr de um ano causadas pelas mudanças na temperatura. O cerebelo chega a crescer 8% no pico do verão, e a encolher os mesmos 8% no pico do inverno. Dentre outras conclusões, talvez a mais importante realizada pelos autores do estudo, é que esse encolhimento ou expansão é muito provavelmente a causa da mudança do humor das pessoas em função do clima. Como, e por exemplo, doenças como o TAS –  TRANSTORNO AFETIVO SAZONAL – muito comum em países mais gelados ou no inverno de outros países. Em verdade, esse tipo de documentação já vinha sendo colhido e organizado por outros pesquisadores. Quando o clima na vida, e nas empresas, excede, para cima ou para baixo, a normalidade, comportamentos semelhantes aos que se constata no TAS, constata-se, também, no capital humano das empresas: tristeza, irritabilidade, ansiedade, dificuldade de concentração, cansaço excessivo, sono, aumento de apetite, sentimentos de culpa, e diminuição da libido, e da busca por atividades recreativas… Isso posto, e sempre, todos mais que concentrados em preservar o melhor clima dentro das empresas, para que todos possam oferecem o melhor de seus conhecimentos e contribuições. 8 – CONSEQUÊNCIAS DA PANDEMIA NUMA SEGURADORA LÍDER Em entrevista no ESTADÃO, BRUNO GARFINKEL, presidente do Conselho da seguradora PORTO SEGURO fez um pequeno balanço do que aconteceu com o território dos seguros, e em especial com a PORTO, nos primeiros 16 meses de pandemia. – DESAFIO PARA A PORTO – O primeiro de todos,  como implementar um home office em 15 dias e em larga escala. De 1.000 pessoas trabalhando em casa, saltou para 9.000. – SEGURO DE VIDA – Crescimento excepcional em função da pandemia. Por essa razão, uma carência de 30 dias foi criada especificamente em relação à COVID, para que algumas pessoas não caíssem na tentação diante da confirmação de estarem contaminadas fazerem um seguro de vida. Assim, o registro de um aumento nos seguros de vida, como no residencial, pelo fato das pessoas permanecerem mais tempo em suas casas. – LUCROS CESSANTES DOR PANDEMIA – esse seguro não existia e ninguém está contratando. Existia o seguro por lucros cessantes em decorrência de um evento imprevisto tipo incêndio, ou problema relacionado ao imóvel, ou outros fatores que se inserem na rotina do cotidiano. Não para pandemias. – INOVAÇÕES – Uma parceria com a PET LOVE para uma espécie de seguro saúde para pets. – VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS – A PORTO já vinha oferecendo não apenas a seus segurados, mas a todas as pessoas que quisessem um serviço mediante assinatura – R$19,90/mês, batizado de REPARA CASA. O REPARA CASA, diz BRUNO, “ganhou tração com a pandemia”. Depois de mais de 200 anos desde a primeira empresa de seguros, a COMPANHIA DE SEGUROS BOA-FÉ, que começa a funcionar no dia 24 de fevereiro de 1808 – ano de abertura dos portos – o instituto do seguro vem apresentando uma evolução consistente e significativa no mundo e, especialmente, em nosso país. A história do seguro e sua evolução no Brasil passa pelo primeiro CÓDIGO COMERCIAL BRASILEIRO, de 1850, pela chegada das seguradoras internacionais que, pela LEI 294 de 1895, passam a ser obrigadas a aplicarem suas reservas no Brasil, e no ano de 1923 é instituída a Previdência Social. E a SUSEP, que regula o setor, é de 1901. E, em 1929, nasce a primeira empresa de capitalização, a SULAMÉRICA, seguros obrigatórios passam a fazer parte do ambiente de negócios no Brasil, e, em 1939, é criado o IRB. A partir de então, o negócio de seguro decola de forma consistente em nosso país, nascem as novas seguradoras, e dentre elas, e uma das mais inovadoras e criativas, a PORTO SEGURO, no ano de 1945. Hoje, e com a terceira geração no comando, a PORTO SEGURO é uma ótima reflexão e exercício sobre o verdadeiro entendimento de quais são os serviços que uma empresa como a PORTO presta. E, em todas as suas movimentações recentes, a PORTO vem demonstrando que, assim como na medicina, a BOA SEGURADORA não é apenas a que garante e cobre diante do sinistro, mas a que orienta e previne, permanentemente. Assim converteu-se, talvez, na mais importante referência em seu território. 9 – GOLDEN CROSS Lemos no O GLOBO que a GOLDEN CROSS tenta um lancinante “levanta, sacode a poeira, dá a volta por cima”. Difícil, complicado, quase impossível. Nessa tentativa reencontra, ou melhor não reencontra um território que apenas se renovou… Encontra um mais que novíssimo território, um território da saúde que praticamente renasceu e é outro, muito melhor, mais competitivo,  do que o território onde um dia foi líder. Segundo O GLOBO, a GOLDEN CROSS, fundada há 50 anos no RIO DE JANEIRO, da família AFONSO, e na palavra de seu presidente FRANKLIN PADRÃO: “Estávamos estacionados há dois anos, tentando acertar processos internos. Agora fizemos uma mudança estratégica para acelerar a comercialização…”. Em verdade, a GOLDEN CROSS não está estacionada há dois anos. Parou no tempo há quase duas décadas. Já no ano de 1997, 24 anos atrás, FREDERICO VASCONCELOS escrevia na Folha do domingo, 31 de agosto: “A crise da GOLDEN CROSS reproduz, no mercado dos serviços de saúde, a decadência de outros impérios privados que cresceram graças à inflação e se mostram despreparados para manter a posição numa economia estável… Assim com uma MESBLA, a GOLDEN CROSS tinha graves problemas de administração de negócios, operava com custos elevados, mascarados pelos ganhos financeiros decorrentes da inflação…”. Na matéria de O GLOBO de agora, fala sobre a volta da GOLDEN CROSS, na propaganda com FERNANDA TORRES e a FERNANDA MONTENEGRO, mudança de sede, e muito mais. E lembra que no ano de 1977, quando a FOLHA publicou a matéria que citamos, ainda era líder do território dos planos de saúde com 2,5 milhões de clientes e faturamento de R$7 bilhões a valores de hoje. Nos números atuais da ANS – Agência Nacional de Saúde – a GOLDEN CROSS tinha em maio 318 mil beneficiários, contra uma AMIL com 1,2 milhão… Ou seja, amigos, muito difícil, depois de mais de duas décadas, conseguir-se agora, o tal da volta por cima… Existe um longo, gigantesco, concorrido e novíssimo caminho pela frente. 10 – FALA SÉRIO… Ainda, e por um bom tempo, todos os números referentes ao ambiente digital devem ser lidos e analisados com os dois pés atrás. Definitivamente falta consistência e seriedade. A começar que as BIG TECHS trilhonárias em duas décadas limitam-se a informar quantas pessoas viram posts e vídeos por 3 segundos… Algumas um pouquinho mais… É uma piada. Agora, por exemplo, e durante as Olimpíadas, atletas vencedores brasileiros viram o número de seus seguidores escalar nas redes sociais. Definitivamente não é consistente e muito menos sério. Não que não mereçam. São manifestações espasmódicas, em meio a forte emoção de uma manhã, tarde, dia, índice, recorde, medalha, que, assim como aconteceu, se não for sustentada por conteúdo minimamente de qualidade, desvanece-se em poucos dias, semanas, exagerando três meses. E assim, e de um dia para outro, nossos heróis olímpicos escalaram… RAYSSA LEAL, a skatista começou os jogos, e após toda a divulgação de seu nome e retrospecto com 870 mil seguidores. Veio a medalha, saltou para 6,5 milhões. DOUGLAS SOUZA, do VÔLEI, saltou de 1,8 milhão para 3,2 milhões. ÍTALO FERREIRA, surfista, de 1 milhão para 3,0 milhões. E REBECA ANDRADE, ginasta, de 250 mil para 2,2 milhões. Amigos, todas as emoções e felicitações a nossos heróis, queridos brasileiros que chegaram lá, mas, e definitivamente, mais que na hora das empresas pararem de se enganar levando a sério esses números como referência para a construção de estratégias e definição de políticas de comunicação. Com esses números, mesmo os recordistas, não figurariam nos rankings de influenciadores do Brasil. Hoje, por exemplo, e segundo o jornal EXTRA de semanas atrás, e referindo-se a uma espécie de ranking do primeiro semestre, a liderança disparada é de NEYMAR, com 150 milhões de seguidores, vindo RONALDINHO GAÚCHO na segunda posição, com um terço dos seguidores de NEYMAR, 53 milhões. E, depois, e pela ordem vêm ANITTA, WHINDERSSON NUNES, MARCELO VIEIRA JR., TATÁ WERNECK, BRUNA MARQUEZINE, GUSTTAVO LIMA, LARISSA MANOELA, MARINA RUY BARBOSA, MAISA SILVA, MARÍLIA MENDONÇA, WESLEY SAFADÃO, IVETE SANGALO, DANIEL ALVES, SIMONE MENDES, PAOLLA OLIVEIRA, LUAN SANTANA, SABRINA SATO, JULIANA PAES, KEVINHO, ELIANA, JULIETTE FREIRE, GIOVANNA EWBANK, e ISIS VALVERDE na 25ª colocação, com 25,3 milhões de seguidores… Muitas vezes mais que o primeiro atleta olímpico… Nossa recomendação às empresas clientes da Madia, jamais contratem qualquer suposto influenciador para incrementar o branding de sua empresa pelo número de seguidores. Apenas e pela qualidade da referência que é por todos os que verdadeiramente o admiram. E depois e ainda, tendo conseguido passar por uma série de outros filtros. DRUCKER’S MONTHLYPoucos temas mexiam com a serenidade de nosso adorado mestre e mentor PETER FERDINAND DRUCKER quanto a preguiça, ou incompetência das empresas de alcançarem o sucesso recorrendo exclusivamente à solução mais cômoda, e, sob todos os aspectos, devastadora. Tentar alcançar o sucesso mediante e, exclusivamente, o preço. Muitas empresas, quando o assunto era ganhar ou aumentar competitividade tinham sempre a mesma, medíocre e patética solução, REDUZIR O PREÇO. E o mestre, com muita paciência, mas  com profundo e indisfarçável incômodo, lembrava a todas que o PREÇO é o último e derradeiro argumento. Quando todos os demais já foram usados e mesmo assim o produto permanece inerme das gôndolas do mercado e da vida a espera de um cliente. DRUCKER, dizia, sempre, e quando o tema era esse, PREÇO: “Conquistar clientes jogando os preços lá para baixo só tem um efeito certo e mais conhecido como efeito bumerangue: a vítima será a própria empresa.” Como funciona a cabeça das pessoas, as nossas, e as de consumidores e clientes. Batemos o olho no preço apenas como referência. O preço em si não é caro e não é barato. É apenas e simplesmente o preço. Tomado esse número como referência nossa cabeça começa a funcionar, e ponderar sobre todos os features e values que o produto oferece: design, embalagem, acessibilidade física, empresa por trás e marca que assina, e todos os demais serviços que presta, além do principal, e que é sua essência. Depois que tudo isso foi considerado é que voltamos a nos referir ao valor cobrado, e imediatamente, nossa cabeça nos diz se o preço é razoável, se é uma pechincha por tudo o que o produto oferece e pela qualidade dos serviços que presta, ou se é um assalto. Assim somos nós. Assim nos comportamos em todas as compras que fazemos ou pretendemos fazer. Por essa razão, o mestre não se cansava de dizer: “Conquistar clientes jogando os preços lá para baixo só tem um efeito certo e mais conhecido como efeito bumerangue: a vítima será a própria empresa.”
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 19/10/2021

ELE, RUBENS MENIN, O EMPRESÁRIO DA ATUALIDADE. E dois de seus pensamentos sobre o “envelhecimento do capitalismo” e o “estágio” em que nosso país se encontra.
1
Blog do Madia

Diário de um Consultor de Empresas – 01/10/2021

MRV REVELA, TRANQUILA, O PERFIL DO COMPRADOR DOS IMÓVEIS DE “ENTRADA”. Sua distância, sua liderança em relação a todas as demais incorporadoras é de tal ordem, que não tem o que temer.
Negócio

De olho no benchmark

Em todos os setores de atividades e negócios, todas as empresas jamais devem tirar o olho, por um único segundo, das movimentações do líder. Um líder, a menos que tenha enlouquecido, jamais faz movimentos sem um mínimo de fundamentação e juízo. Sabe que e sempre tem muito a perder. Por essa razão, e desde o ano passado, dezenas de incorporadoras em todo o País estão com toda a atenção concentrada na mais recente movimentação da empresa líder do mercado mais conhecido como “Minha Casa, Minha Vida”. O de habitações populares, e que é liderado com ampla folga e total merecimento pela MRV. Qual o novo movimento da MRV? Quintuplicar o número de corretores que vendem seus imóveis, recorrendo ao ambiente digital, e estimulando qualquer pessoa a indicar clientes potenciais. A ação promocional, ou tática dentro da estratégia MRV, foi batizada como Agente de Sonhos. Que, e nas palavras de Thiago Ely, diretor executivo comercial da MRV, “deverá mudar o patamar de nossa empresa na medida em que o programa alcançar maturidade”. No momento em que lançou o programa, a MRV possuía em sua base de corretores, quatro mil profissionais. Com a iniciativa Agente de Sonhos pretendia chegar a 20 mil. 20 mil só de corretores, que somados aos indicadores poderá totalizar um exército de vendedores de 200 mil pessoas. MRV, um exército de 200 mil corretores e indicadores! Nas tabelas divulgadas pela MRV, todos os que indicarem um comprador e que efetive uma compra, receberão um prêmio no valor entre R$ 800 a R$ 1.200, dependendo da região e do preço médio do imóvel. A MRV encontra-se presente em quase 200 cidades a promoção está presente em todas. Ou seja, amigos, talvez um pouco confuso, mas, a MRV merece um crédito de confiança pela sua retrospectiva, liderança, e outras movimentações de sucesso que fez no território do Minha Casa Minha Vida. E, tão importante quanto, essa iniciativa da MRV insere-se naquele momento em que estamos vivendo onde e na dúvida de qual caminho seguir, todos fazem tudo e desempenham diferentes papéis simultaneamente. Todos compram, todos, vendem, todos indicam. Se “em tempo de Muricy cada um cuida de si”, “em tempos de Gideão todos mergulham na grande confusão”. A MRV repete no território dos imóveis, a mesma iniciativa da Luiza de 10 anos atrás, em que passou a oferecer a todos os seus clientes, a possibilidade de também serem vendedores da Luiza. Mais adiante, quando a orquestra parar de tocar a música da disrupção tecnológica, cada um terá que achar sua cadeira, sua especialização, sua competência específica, substância, princípio ativo, propósito. Mais adiante, por enquanto, todos no salão, enquanto a música não só não para como acelera…
Negócio

Os Menin

Volta e meia, em intervalos de anos ou década, uma família ocupa a cena e passa a chamar a atenção de todos. Desde a crise descomunal do mercado imobiliário, 2015 a 2018, uma família pontificou pela razão que uma de suas empresas, a MRV, constituiu-se na única, exclusiva e brilhante exceção. Enquanto quase todas as demais naufragavam, a MRV nadava em recordes e recordes de vendas e lucratividade. Enquanto as principais cravavam suas fichas em imóveis para a classe média ou mercado corporativo, a MRV apostava tudo na chamada Minha Casa Minha Vida. De forma precisa e consistente, tomou conta do território. A trajetória de sucesso dos Menin começa em meados dos 1970. Filho de família de classe média, Rubens Menin, sempre esteve no sangue a vocação para edificar. Seu avô paterno era engenheiro especializado em hidrologia tendo construído mais de 30 pequenas centrais hidrelétricas, e seu pai Geraldo e sua mãe Moura também eram apaixonados por engenharia. Rubens começa como estagiário na Vega Engenharia que pertencia a um de seus primos. Forma-se em engenharia civil em 1978 pela Universidade Federal de Minas Gerais, e em 1979 junta-se a própria Vega Engenharia, a seu irmão Sergio Menin Teixeira de Souza, e nasce a MRV. Hoje Rubens, presidente do conselho, 63 anos, tem a companhia de seus 3 filhos, Rafael, Maria Fernanda e João Vitor, assim como seu irmão Sergio e sobrinhos Eduardo, Sergio e Ana Tereza. Em 1994, cria o Banco Inter, em 2009 a Log – construção e locação de galpões industriais, e no dia 9 de março, decolou com sua incursão pela mídia, sendo o franqueado da CNN para o Brasil. Por enquanto seus negócios caminham bem. Mas a dimensão dos investimentos que vem realizando para montar e colocar no ar a CNN Brasil, num momento onde as plataformas de mídia definham, começa a gerar preocupações. Pessoas próximas à família comentam sobre a preocupação pelo fato do orçamento para a montagem ter mais que dobrado as previsões iniciais. Ser franqueado da CNN em nosso país foi uma decisão que ele, Rubens Menin, tomou em apenas 48 horas.   No estilo Masayoshi Son, do SoftBank que investe bilhões em questão de minutos. E meses depois descobre erros sucessivos. E muitos especialistas comentam que, se Menin respirasse, e esperasse no mínimo uma semana antes de decidir, provavelmente não teria feito negócio. Assim, continuaremos acompanhando com atenção e até torcendo pelo empresário brasileiro que apostou num dos supostamente piores e mais arriscados negócios da atualidade. Assim, e mais que nunca, a família Menin, seus diferentes empreendimentos, é a família de empresários a ser acompanhada! Pelo retrospecto espetacular, e por um investimento, no mínimo, temerário. Repito, todos torcendo pelos Menin. Que decolaram com o mais importante investimento de suas vidas, no exato momento em que o Coronavírus invadia o Brasil: Março de 2020.