Tag: Carnaval

Negócio

O maior carnaval do Brasil… Pra tudo terminar na quarta–feira, mesmo!

Tom e Vinicius cantavam, “Tristeza não tem fim, felicidade sim… pra tudo se acabar na quarta-feira”. Era assim, não é mais, não acaba mais na quarta, avança para uma ou duas semanas depois da quarta-feira de cinzas. E assim foi no Carnaval de 2020. O maior carnaval de todos os tempos da cidade de São Paulo, o da última semana de fevereiro de 2020, recorde absoluto de público e blocos, entrou para a história, na visão de muitos, e também, e agora se sabe, como o epicentro da crise do Coronavírus. Onde começou a eclodir a contaminação. Ô balancê, balancê… Sem saber, sem querer, sem planejamento de qualquer espécie, a cidade de São Paulo converteu-se, e hoje com enorme vantagem, no maior carnaval do Brasil. Não dissemos MELHOR; e, sim, MAIOR. E não vemos no horizonte qualquer outra cidade capaz de arrebatar essa conquista de São Paulo. O último Carnaval da década de 2010 – para os que seguem os fundamentos e acreditam que 2020 é o último ano da década –, Ou o primeiro Carnaval da nova década, dos 2020 – para os que como eu acreditam que a década começa agora e no zero – consagrou definitivamente a cidade de São Paulo como aquela que teve e continuará tendo, e agora que decolou, o maior carnaval do Brasil. Tudo a ver com as migrações de décadas, com as concentrações populacionais nas grandes metrópoles do mundo, com a multiplicação de tribos num mesmo espaço, e que devidamente consolidadas, e com plataformas de comunicação que as preservam conectadas 24X24, e da troca de ideias e pensamentos, blocos foram emergindo de todas as frestas, buracos, vilas, vielas, travessas, bairros da cidade, e simultaneamente, e pelo digital, mais e muito blocos multiplicando-se por diferentes afinidades. E deu no que deu. Sem planejamento, e naturalmente, em 20 anos o túmulo do Samba, como um dia brincou Vinicius, do zero e do tédio virou uma explosão. De alegria, felicidade, bagunça, sujeira, alegria, sexo, rock´n´roll e todos os demais ritmos. Foi assim. E agora é. Ou era, até meses atrás. Será? Solitários e isolados membros de tribos que em suas cidades não passavam de meia dúzia, pegam carro, trem, avião, e vêm integrar suas tribos em outras bases, números e dimensões. E a cidade de São Paulo converte-se, durante a semana do Carnaval, no maior mosaico de cores, crenças, preferências e comportamentos de todo o Brasil, e talvez, uma das três mais completas manifestações já e agora, e em todo o mundo. Os números são superlativos. De meia dúzia de blocos 20 anos atrás para 464 em 2019 e 796 que protagonizam 861 desfiles neste pandêmico 2020. Difícil alguém com alguma preferência específica sob qualquer ângulo e aspecto não encontrar seu bloco, sua turma, sua tribo. De dezenas de milhares de 20 anos atrás para 15 milhões de pessoas, gastando, na soma de todos os dias, R$ 2,6 bilhões. É isso, amigos. Agora, a ex-terra da garoa, ex-túmulo do samba, sem querer e muito menos planejar, converteu-se no maior e mais completo Carnaval do Brasil. E pelos números, e sem medo de errar, no Maior Carnaval do Mundo. E com esse reconhecimento e repercussão, em todos os anos desta nova década crescendo ainda mais e atraindo turistas de todas as regiões da terra. Claro, depois de dar um chega pra lá definitivo no vírus. Ou seja, perigava o Carnaval espontâneo e natural de São Paulo, converter-se no magneto que estava faltando para a decolagem do turismo de passeio na cidade. Uma cidade que viveu todos os últimos 50 anos do chamado turismo de negócios. E aí, terminado o Carnaval, há pouco mais de nove meses, começaram e já pararam os planos face a pandemia. Talvez, mais que na hora dos gestores da cidade e do estado começarem a planejar o como transformar essa circunstância que brotou espontaneamente, a de São Paulo, O Maior Carnaval do Mundo, em um atrativo permanente para a cidade, muito especialmente para mais de 40 finais de semana onde os hotéis permanecem às moscas. Como aprendemos e é mais que comprovado pela história e vida, CAVALO SELADO SÓ PASSA UMA ÚNICA VEZ, ou, CAVALO DADO NÃO SE OLHA OS DENTES, ou O OLHO DO DONO É QUE ENGORDA O CAVALO, ou QUEM NASCEU PRA BURRO NÃO CHEGA A CAVALO, ou CAVALO BOM E HOMEM VALENTE A GENTE SÓ CONHECE NA CHEGADA, ou, O CAVALO É PARA O HOMEM COMO AS ASAS PARA UM PÁSSARO, ou, ENQUANTO HOUVER CAVALO SÃO JORGE NÃO ANDARÁ A PÉ… Enfim, escolha o ditado que quiser, mas mais que na hora, PENSAVAM MUITOS, das autoridades do turismo da cidade de São Paulo pegarem uma carona nesse cavalo selado que apareceu e que se chama CARNAVAL, e finalmente trazerem para a cidade e estado o turismo de passeio, alegria, diversão. Todas as semanas no ano, e não apenas e tão somente, em uma única semana. Cidade e hotéis lotados nos finais de semana, também… Mas, dias depois, e a propósito do maior Carnaval do mundo… Coronavírus… Repetindo, e segundo muitos, o lugar ideal e sonhado por um tal de Covid-19. Onde deitou e relou. O maior Carnaval do mundo nunca mais será o mesmo. Por dois ou três anos. Mas, depois… Sai da frente! Planos de Carnaval todos os finais de semana provisoriamente adiados… Mas, vamos deixar anotado.